Com cenário externo favorável, o dólar caiu 0,42% nesta segunda-feira (28) e foi a R$ 3,9930, menor valor desde 15 de agosto. A moeda americana perdeu 14 centavos de real desde o último passo da reforma da Previdência no Congresso, na última terça (22).

A aprovação do projeto também beneficia a Bolsa brasileira, que voltou a bater recorde nesta segunda, fechando acima dos 108 mil pontos pela primeira vez na história.

Para Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest, a queda do dólar ainda é fruto da aprovação da nova Previdência e da expectativa do mercado com demais reformas, como a administrativa e tributária.
“O movimento também implica uma vinda de dólares com a cessão onerosa na próxima semana. Resta saber se a cotação vai se manter abaixo de R$ 4”.

A economista aponta que apenas a entrada de investidores estrangeiros no país seria capaz de estabilizar a cotação abaixo dos R$ 4. No momento, a balança cambial de investimentos está negativa.

Além da aprovação da principal pauta do mercado financeiro, o real se valoriza com uma trégua na guerra comercial. Estados Unidos e China estão com o texto da primeira fase do acordo praticamente pronto para ser assinado em novembro.

As Bolsas também se beneficiam da aproximação entre chineses e americanos que, somada à expectativa de quedas de juros esta semana levou índices acionários a novos recordes. No Brasil, o Banco Central (BC) decide a nova taxa básica de juros nesta quarta (30). O mercado prevê uma queda de 0,5 ponto percentual na Selic, que ira para 5% ao ano, nova mínima histórica.

O boletim Focus desta segunda aponta que os economistas reduziram ainda mais suas expectativas para a taxa básica de juros em 2020, com o grupo dos que mais acertam as previsões na pesquisa do BC vendo a Selic a próxima de 4,5% tanto este ano quanto no próximo.

Em meio ao ciclo de afrouxamento do Banco Central, o Ibovespa subiu 0,77% nesta segunda, a 108.187 pontos, perto da máxima do dia de 108.392 pontos, novo recorde intraday. O volume negociado foi de R$ 15,142 bilhões, abaixo da média diária para o ano.

Nos Estados Unidos, o S&P 500 também bateu recorde. O índice foi a 3.039 pontos, alta de 0,56%, apenas 5 pontos a mais que a máxima anterior, de 26 de julho. Demais índices da Bolsa de Nova York, Dow Jones e Nasdaq se aproximaram das máximas históricas, com altas de 0,49% e de 1,01%, respectivamente.

A Bolsa de Valores de São Paulo, no centro de São Paulo, no Brasil
09/05/2016
REUTERS/Paulo Whitaker/File photo

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 3,9786 / R$ 3,9793 **
Câmbio livre mercado – R$ 3,9910 / R$ 3,9930 *
Turismo – R$ 3,9800 / R$ 4,2180

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,42%

OURO BM&F
R$ 202,000

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,77%
Pontos: 108.187
Volume financeiro: R$ 15,142 bilhões
Maiores altas: Bradesco PN (3,61%), Bradesco ON (2,97%), Gol PN (2,80%)
Maiores baixas: BRF ON (-2,65%), Marfrig ON (-2,37%), Natura ON (-2,35%)

S&P 500 (Nova York): 0,56%
Dow Jones (Nova York): 0,49%
Nasdaq (Nova York): 1,01%
CAC 40 (Paris): 0,15%
Dax 30 (Frankfurt): 0,37%
Financial 100 (Londres): 0,09%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,30%
Hang Seng (Hong Kong): 0,84%
Shanghai Composite (Xangai): 0,85%
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,76%
Merval (Buenos Aires): -3,90%
IPC (México): 0,87%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Setembro 2018: 0,48%
Outubro 2018: 0,45%
Novembro 2018: -0,21%
Dezembro 2018: 0,15%
Janeiro 2019: 0,32%
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%
Setembro 2019: -0,04%

INPC/IBGE
Setembro 2018: 0,30%
Outubro 2018: 0,40%
Novembro 2018: -0,25%
Dezembro 2018: 0,14%
Janeiro 2019: 0,36%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12%
Setembro 2019: -0,05%

IPC/Fipe
Setembro 2018: 0,39%
Outubro 2018: 0,48%
Novembro 2018: 0,15%
Dezembro 2018: 0,09%
Janeiro 2019: 0,58%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%
Setembro 2019: 0,00%

IGP-M/FGV
Setembro 2018: 1,52%
Outubro 2018: 0,89%
Novembro 2018: -0,49%
Dezembro 2018: -1,08%
Janeiro 2019: 0,01%
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%

IGP-DI/FGV
Setembro 2018: 1,79%
Outubro 2018: 0,26%
Novembro 2018: -1,14%
Dezembro 2018: -0,45%
Janeiro 2019: 0,07%
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%
Setembro 2019: 0,50%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2019: R$ 998,00