A divulgação de mais um dado negativo da economia americana, dessa vez do setor de serviços, serviu para impulsionar os mercados acionários no mundo e derrubar o dólar para abaixo de R$ 4,10 pela primeira vez em cerca de duas semanas.

O setor de serviços é o principal segmento da economia americana e seu indicador mensal teve a maior queda desde agosto de 2016. O resultado veio ainda abaixo das expectativas do mercado. Esses dados negativos se somaram aos indicadores ruins de indústria e de geração de empregos no setor privado americano.

Em vez de deixar investidores preocupados com a desaceleração da economia americana, agora a série de números ruins faz com que eles passem a considerar certo um novo corte de juros no país. Na segunda-feira (30), 39,6% dos entrevistados da Fed Watch esperavam pelo corte contra 92,5% desta quinta. A próxima reunião de política monetária deve ocorrer no fim do mês.

Na última reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), em setembro, os juros foram reduzidos para o intervalo entre 1,75% a 2%.

O movimento, atrelado à ideia de corte dos juros nos EUA, fez com que o dólar caísse frente a todas a moedas de países emergentes. No Brasil, a baixa do dólar chegou a 1,11%, fechando a R$ 4,0890. É o menor patamar desde 18 de setembro.

Para Fernanda Consorte, economista-chefe da Ouroinvest, a queda não se restringe apenas ao possível cenário de corte de juros. Ela explica que o feriado chinês e a valorização da moeda americana em semanas anteriores deu espaço para que o dólar recuasse.

“O dólar se fortaleceu nas últimas semanas, então ele está com uma gordura excessiva. Nessa semana também, com feriado chinês, toda a questão EUA-China saiu um pouco da pauta. Além disso não havia nenhuma reunião monetária. Então o mercado se apegou a dados de alta frequência [indicadores econômicos] que não costuma olhar quando tem coisas mais tensas acontecendo”, afirmou.

Stock market chart, Stock market data on LED display concept

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 4,1006 / R$ 4,1012 **
Câmbio livre mercado – R$ 4,0870 / R$ 4,0890 *
Turismo – R$ 4,0500 / R$ 4,2800

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -1,110%

OURO BM&F
R$ 204,00

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,48%
Pontos: 101.516
Volume financeiro: R$ 15,792 bilhões
Maiores altas: Gol PN (5,48%), Cyrela ON (4,54%), ViaVarejo (4,42%)
Maiores baixas: BTG UNT (-3,78%), IRB Brasil ON (-2,84%), BRF S.A. ON (-2,74%)

S&P 500 (Nova York): 0,80%
Dow Jones (Nova York): 0,47%
Nasdaq (Nova York): 1,12%
CAC 40 (Paris): 0,30%
Dax 30 (Frankfurt): -2,76%
Financial 100 (Londres): -0,63%
Nikkei 225 (Tóquio): -2,01%
Hang Seng (Hong Kong): 0,26%
Shanghai Composite (Xangai): –
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): –
Merval (Buenos Aires): -1,38%
IPC (México): 0,52%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Agosto 2018: -0,09%
Setembro 2018: 0,48%
Outubro 2018: 0,45%
Novembro 2018: -0,21%
Dezembro 2018: 0,15%
Janeiro 2019: 0,32%
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%

INPC/IBGE
Agosto 2018: 0,00%
Setembro 2018: 0,30%
Outubro 2018: 0,40%
Novembro 2018: -0,25%
Dezembro 2018: 0,14%
Janeiro 2019: 0,36%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12

IPC/Fipe
Agosto 2018: 0,41%
Setembro 2018: 0,39%
Outubro 2018: 0,48%
Novembro 2018: 0,15%
Dezembro 2018: 0,09%
Janeiro 2019: 0,58%
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%

IGP-M/FGV
Setembro 2018: 1,52%
Outubro 2018: 0,89%
Novembro 2018: -0,49%
Dezembro 2018: -1,08%
Janeiro 2019: 0,01%
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%

IGP-DI/FGV
Agosto 2018: 0,68%
Setembro 2018: 1,79%
Outubro 2018: 0,26%
Novembro 2018: -1,14%
Dezembro 2018: -0,45%
Janeiro 2019: 0,07%
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2019: R$ 998,00