As contas públicas do país registraram um déficit primário de R$ 20,9 bilhões em fevereiro, no pior resultado para o mês em três anos. Segundo os dados divulgados pelo Banco Central na manhã desta terça-feira (31), os números ainda não refletem os efeitos da crise do coronavírus.

No bimestre, no entanto, o saldo das contas públicas foi positivo em R$35,4 bilhões, puxado pelo resultado de janeiro -superávit de R$ 56,2 bilhões. “Pode-se citar como um dos fatores que vêm contribuindo para a ocorrência de superávits primários em janeiro a sazonalidade da arrecadação tributária”, explica o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha.

 

Foto: EBC

 

O resultado primário indica a capacidade do governo de pagar as contas, exceto os encargos da dívida pública. A meta fixada em lei era de déficit de R$ 118,9 bilhões para 2020. Mas, com o decreto de calamidade pública por conta da pandemia da Covid-19, esse valor poderá ser maior.

Já a dívida líquida do setor público ficou em 53,5% do PIB (Produto Interno Bruto), redução de 0,6 pontos percentuais no mês. A queda, segundo o BC, refletiu principalmente a alta de 5,4% do dólar no período.

Quando há valorização da moeda norte-americada, há também redução do valor da dívida líquida em reais por conta das reservas internacionais. A dívida bruta, no entanto, aumentou de 0,4 ponto percentual em relação ao PIB, e ficou em 76,5%.