A Bolsa brasileira encerrou esta quinta-feira (21) com alta de 2,1%, aos 83.027 pontos -patamar que não atingia desde 29 de abril, quando fechou em 83.170. O movimento veio descolado de seus pares no exterior e teve influência positiva da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e governadores.

O volume financeiro movimentado no pregão desta quinta ficou em R$ 27,9 bilhões.

Segundo o analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro, o apoio dos governadores e do Legislativo em vetar o reajuste dos servidores públicos, somado ao fato de que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu um cenário de reformas pós-pandemia, acabou aumentando o apetite de risco no mercado.

“Essa boa melhora no ambiente político, também ajudou na queda do dólar, que caminha para a pior semana do ano. Além desses fatores, pesou a fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto”, afirmou.

Campos Neto afirmou que o BC pode ampliar sua intervenção no câmbio se necessário e justificou o aumento das atuações nos últimos dias pelo descolamento da moeda brasileira em relação aos pares emergentes.

Para a analista de ações da Spiti Corretora Cristiane Fensterseifer, a fala de Campos Neto de que o BC pode atuar vendendo dólar, ajudou a moeda americana a encerrar esta quinta-feira (21) com queda de 1,82%, para R$ 5,58.

Dentre as blue chips (ações de grandes empresas, que já possuem nome forte no mercado e negócio consolidado), os papéis preferenciais da Petrobras (sem direito a voto) caíram 0,57%, perdendo fôlego apesar dos preços do petróleo no exterior. As ações ordinárias (com direito a voto) da petrolífera, no entanto, subiram 0,35%.

Vale, por sua vez, registrou queda de 2,61%, também na contramão dos futuros do minério de ferro, que fecharam acima dos US$ 100 por tonelada ante preocupações sobre um possível aperto na oferta brasileira ante o agravamento da crise do coronavírus.

No setor financeiro, Banco do Brasil, Bradesco e Itaú Unibanco registraram avanços de 7,06%, 5,55% e 5,74%, respectivamente.

No exterior, as bolsas americanas fecharam em queda: S&P caiu 0,78%, Dow Jones recuou 0,41% e Nasdaq, 0,97%.

Números do mercado financeiro:

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 5,6013 / R$ 5,6019 **
Câmbio livre mercado – R$ 5,578 / R$ 5,580 *
Turismo – R$ 4,970 / R$ 5,806

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -1,82%

OURO BM&F
R$ 316,98

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 2,10%
Pontos: 83.027
Volume financeiro: R$ 27,879 bilhões
Maiores altas: CCR ON (11,65%), Cyrela ON (11,00%), Eco Rodovias ON (9,83%)
Maiores baixas: IRB Brasil ON (-7,36%), Suzano ON (-4,40%), Marfrig ON (-4,21%)

S&P 500 (Nova York): -0,78%
Dow Jones (Nova York): -0,41%
Nasdaq (Nova York): -0,97%
CAC 40 (Paris): -1,15%
Dax 30 (Frankfurt): -1,41%
Financial 100 (Londres): -0,86%
Nikkei 225 (Tóquio): -0,21%
Hang Seng (Hong Kong): -0,49%
Shanghai Composite (Xangai): -0,55%
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,54%
Merval (Buenos Aires): 3,97%
IPC (México): -1,29%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%
Setembro 2019: -0,04%
Outubro 2019: 0,10%
Novembro 2019: 0,51%
Dezembro 2019: 1,15%
Janeiro 2020: 0,21%
Fevereiro 2020: 0,25%
Marco 2020: 0,07%
Abril 2020: -0,31%

INPC/IBGE
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12%
Setembro 2019: -0,05%
Outubro 2019: 0,04%
Novembro 2019: 0,54%
Dezembro 2019: 1,22%
Janeiro 2020: 0,19%
Fevereiro 2020: 0,17%
Março 2020: 0,18%
Abril 2020: -0,23%

IPC/Fipe
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%
Setembro 2019: 0,00%
Outubro 2019: 0,16%
Novembro 2019: 0,68%
Dezembro 2019: 0,94%
Janeiro 2020: 0,29%
Fevereiro 2020: 0,11%
Março 2020: 0,10%
Abril 2020: -0,30%

IGP-M/FGV
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%
Outubro 2019: 0,68%
Novembro 2019: 0,30%
Dezembro 2019: 2,09%
Janeiro 2020: 0,48%
Fevereiro 2020: -0,04%
Março 2020: 1,24%
Abril 2020: 0,80%

IGP-DI/FGV
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%
Setembro 2019: 0,50%
Outubro 2019: 0,55%
Novembro 2019: 0,85%
Dezembro 2019: 1,74%
Janeiro 2020: 0,09%
Fevereiro 2020: 0,01%
Março 2020: 1,64%
Abril 2020: 0,05%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2020: R$ 1.039,00
Fevereiro 2020: R$ 1.045,00