Nesta sexta-feira (10), a Bolsa brasileira fechou acima dos 100 mil pontos pela primeira vez desde 5 de março. O Ibovespa, maior índice acionário do país, fechou em alta de 0,87%, a 100.031 pontos, acompanhando o desempenho positivo das principais Bolsas globais.

Investidores estão otimistas com o resultado de um tratamento experimental para o coronavírus, apesar do avanço recorde da doença nos Estados Unidos.

A Gilead Sciences informou nesta sexta que dados adicionais de um estudo em estágio avançado mostraram que seu medicamento antiviral remdesivir melhorou significativamente a recuperação clínica e reduziu em 62% o risco de morte em pacientes com Covid-19.

A farmacêutica afirmou que a descoberta requer confirmação em futuros ensaios clínicos.

Na semana, marcada pela melhora acima do esperado do comércio em maio, a Bolsa brasileira acumulou alta de 3,4%.

Em Nova York, o índice Dow Jones subiu 1,44% na sessão. S&P 500 teve alta de 1,05% e Nasdaq, de 0,66%.

O dólar fechou em queda de 0,26% a R$ 5,3230. O turismo está a R$ 5,62.

Embora continue distante dos quase 120 mil pontos que alcançou no final de janeiro, o Ibovespa já acumula valorização de cerca de 60% desde as mínimas do ano registradas em março, após seis circuit breakers – paralisação temporária nas negociações em fortes quedas do Ibovespa– e a declaração de pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Os juros baixos, a injeção de liquidez de bancos centrais e a melhora de dados econômicos nos últimos meses impulsionaram a rápida recuperação do índice.

“A marca de 100 mil pontos é extremamente positiva, mas esperada”, diz Simone Pasianotto, economista chefe da Reag Investimentos.

Ela aponta que, em março, empresas perderam valor de face, com a correria de investidores e fundos para se desfazer de ativos de risco, mas o valor patrimonial das companhias não caiu tanto como o valor de mercado.

“O tombo foi muito grande, estamos nos recuperando do susto ainda. O caminho é longo, ainda temos 20% para recuperar e voltar aos 120 mil pontos. Essa parte que é a mais dolorida”, afirma Simone.

Números do mercado financeiro:

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC – R$ 5,3434 / R$ 5,3440 **
Câmbio livre mercado – R$ 5,321 / R$ 5,323 *
Turismo – R$ 4,930 / R$ 5,570

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,260%

OURO BM&F
R$ 306,50

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,88%
Pontos: 100.031
Volume financeiro: R$ 24,262 bilhões
Maiores altas: CVC Brasil ON (11,86%), Cogna ON (11,23%), Cia Hering ON (6,11%)
Maiores baixas: Qualicorp ON (-2,07%), Eletrobras PN (-2,01%), Telefônica Brasil PN (-1,81%)

S&P 500 (Nova York): 1,05%
Dow Jones (Nova York): 1,44%
Nasdaq (Nova York): 0,66%
CAC 40 (Paris): 1,01%
Dax 30 (Frankfurt): 1,15%
Financial 100 (Londres): 0,76%
Nikkei 225 (Tóquio): -1,06%
Hang Seng (Hong Kong): -1,84%
Shanghai Composite (Xangai): -1,95%
CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -1,81%
Merval (Buenos Aires): 0,59%
IPC (México): -0,90%

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Fevereiro 2019: 0,43%
Março 2019: 0,75%
Abril 2019: 0,57%
Maio 2019: 0,13%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,19%
Agosto 2019: 0,11%
Setembro 2019: -0,04%
Outubro 2019: 0,10%
Novembro 2019: 0,51%
Dezembro 2019: 1,15%
Janeiro 2020: 0,21%
Fevereiro 2020: 0,25%
Marco 2020: 0,07%
Abril 2020: -0,31%

INPC/IBGE
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 0,77%
Abril 2019: 0,60%
Maio 2019: 0,15%
Junho 2019: 0,01%
Julho 2019: 0,10%
Agosto 2019: 0,12%
Setembro 2019: -0,05%
Outubro 2019: 0,04%
Novembro 2019: 0,54%
Dezembro 2019: 1,22%
Janeiro 2020: 0,19%
Fevereiro 2020: 0,17%
Março 2020: 0,18%
Abril 2020: -0,23%

IPC/Fipe
Fevereiro 2019: 0,54%
Março 2019: 051%
Abril 2019: 0,29%
Maio 2019: -0,02%
Junho 2019: 0,15%
Julho 2019: 0,14%
Agosto 2019: 0,33%
Setembro 2019: 0,00%
Outubro 2019: 0,16%
Novembro 2019: 0,68%
Dezembro 2019: 0,94%
Janeiro 2020: 0,29%
Fevereiro 2020: 0,11%
Março 2020: 0,10%
Abril 2020: -0,30%

IGP-M/FGV
Fevereiro 2019: 0,88%
Março 2019: 1,26%
Abril 2019: 0,92%
Maio 2019: 0,45%
Junho 2019: 0,80%
Julho 2019: 0,40%
Agosto 2019: -0,67%
Setembro 2019: -0,01%
Outubro 2019: 0,68%
Novembro 2019: 0,30%
Dezembro 2019: 2,09%
Janeiro 2020: 0,48%
Fevereiro 2020: -0,04%
Março 2020: 1,24%
Abril 2020: 0,80%

IGP-DI/FGV
Fevereiro 2019: 1,25%
Março 2019: 1,07%
Abril 2019: 0,90%
Maio 2019: 0,40%
Junho 2019: 0,63%
Julho 2019: -0,01%
Agosto 2019: -0,51%
Setembro 2019: 0,50%
Outubro 2019: 0,55%
Novembro 2019: 0,85%
Dezembro 2019: 1,74%
Janeiro 2020: 0,09%
Fevereiro 2020: 0,01%
Março 2020: 1,64%
Abril 2020: 0,05%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2020: R$ 1.039,00
Fevereiro 2020: R$ 1.045,00