Os efeitos do Coronavírus no Brasil serão devastadores. Um dos setores que sentiu mais rapidamente os problemas gerados pelo novo vírus foi o da alimentação fora do lar. De acordo com números da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Paraná (Abrasel – PR), mais de 500 estabelecimentos de Curitiba já encerraram temporariamente o atendimento ao público para reduzir os efeitos negativos causados pela pandemia.

Restaurantes fechados no Paraná – Foto Abrasel

Preocupada com os números e, principalmente, com uma falta de perspectiva futura com relação ao avanço do coronavírus no país, a Abrasel – PR se mostra extremamente decepcionada com as medidas adotadas pelos governos municipal, estadual e federal para ajudar os empresários e, principalmente, para tomar decisões fundamentais para o mercado.

Segundo a entidade, grande parte dos bares e restaurantes que fecharam por causa da crise não terão condições de reabrir caso o poder público não tome medidas urgentes e eficientes.

Presidente da Abrasel – PR, Nelson Goulart Junior

“Infelizmente, centenas de empreendimentos vão falir por causa do coronavírus. Isso só será evitado se os governantes agirem rapidamente por meio de medidas efetivas. Estamos cansados de promessas que não saem do papel. Precisamos de líderes que percebam que estamos precisando deles neste momento tão conturbado”, comenta o presidente da Abrasel – PR, Nelson Goulart Junior.

De acordo com números da Abrasel – PR, o Paraná conta com 50 mil negócios focados no segmento da alimentação fora do lar, empregando cerca de 300 mil pessoas diretamente. Só em Curitiba são 12 mil empreendimentos empregando 92 mil pessoas.

“Sem uma atuação direta do poder público, teremos uma grande quantidade de bares e restaurantes encerrando definitivamente suas atividades nos próximos meses, contabilizando milhares de desempregados. Parece que as pessoas ainda não perceberam a gravidade de tudo isso que está acontecendo. Nós estamos tendo que tomar decisões que deveriam ser tomadas pelo poder público. Isso é inadmissível”, critica Nelson Goulart Junior.

Para o presidente da Abrasel – PR, todos os empresários do setor querem fechar as portas para evitar aglomerações e reduzir a transmissão do coronavírus, garantindo a saúde e segurança de clientes e colaboradores, mas ao mesmo tempo se sentem desamparados pelo poder público, que até o momento, ao contrário de outros países do mundo, não divulgou medidas palpáveis para tranquilizar os empreendedores.

“Estamos preocupados com a exposição deles ao contágio e as condições físicas e mentais de trabalho em uma situação dessa magnitude. Precisamos de respostas urgentes, não podemos mais esperar. Precisamos que o os governos assumam a responsabilidade e decretem o fechamento dos bares e restaurantes. Na sequência vamos conversar sobre as medidas para diminuir o impacto negativo”, exige Goulart Junior.

Além do fechamento imediato de bares e restaurantes, a reivindicações da Abrasel – PR abrangem a criação de linhas de créditos para garantir o capital de giro, flexibilização das leis trabalhistas durante o período, especialmente em relação a férias e suspensão temporária de contratos, isenção na cobrança de tributos obrigatórios, e paralisação da cobrança de contas públicas como energia elétrica e água.

“Até podemos contornar a redução de faturamento no cenário atual, mas com a possível situação de colapso prevista, não há possibilidade dos empresários se manterem sozinhos de portas fechadas. Precisamos nos mobilizar e criar uma caixa de ferramentas com as soluções viáveis”, completa o presidente da Abrasel – PR.