Desde o começo da semana temos ouvido que “qualquer ajuda” é importante para, pelo menos, tentarmos amenizar a situação das pessoas afetadas com as enchentes no Rio Grande do Sul. O pouco que podemos fazer pode ser muito para quem precisa. Foi pensando nisso que um cantor de Curitiba resolveu mobilizar não só a própria família, como também amigos e criou uma verdadeira rede de solidariedade. 

Anderson Simões Travasso, conhecido como Andy, é vocalista da banda de pagode Terezo, não aguentou ver tudo acontecer pela TV e pelas redes sociais. O músico resolveu ir ao Rio Grande do Sul e levou com ele uma tropa: um caminhão com doações, 15 jet skis e dois barcos. Em Curitiba, a mãe e a esposa dele se uniram e viram as doações só aumentarem.

andy-banda-terezo-ajuda-rio-grande-do-sul
Foto: Reprodução/Instagram.

Nesta quinta-feira (9) completam três dias em que o cantor está no Rio Grande do Sul. Andy contou à Banda B que a ideia surgiu pelo desespero que sentiu ao ver tudo acontecer.

“De domingo para segunda, dormi muito mal. Acordei olhando vídeos do Rio Grande, bateu um desespero, uma vontade de estar aqui. Um amigo meu, era por volta das 7h, ele me chamou e vimos que os dois estavam tendo a mesma ideia. Como a gente tem jet ski, temos muitos amigos que também têm, mandamos nos grupos”

disse Andy, vocalista da Terezo.

Conforme o músico, a ideia surgiu por volta das 7h, e às 19h todo o grupo já estava na estrada, rumo ao Estado vizinho afetado pelas enchentes. Ao todo, são aproximadamente 30 pessoas.

“A gente foi para a estrada com um caminhão de doações, 15 jetski, dois barcos. Chegamos pela manhã no RS já colocando o jet ski na água, encontramos com a polícia e entendemos qual é a área que mais precisava”

contou o músico.

Cenário de tristeza

Através das redes sociais, Andy vem mostrando um pouco do que consegue filmar, pois a prioridade é outra no momento. À reportagem, antes de mais um dia de buscas e ofertas de ajudas, ele descreveu que as cenas que tem encontrado são muito tristes. 

“Cidade fantasma, água por cima de tudo, gente pedindo ajuda, animal sozinho, sem comida, precisando de água. Uma cena que nunca imaginei ver na minha vida”

descreveu Andy.

O grupo tem entrado na água pela manhã e sai a hora que escurece. Por ver como está a situação, o cantor abriu mão até mesmo de trabalho em Curitiba: chegou a cancelar shows que a banda Terezo faria no final de semana.

“Tinha um monte de coisa em Curitiba, mas não tem como ir embora. Desmarquei tudo e vou ficar por aqui até quando precisarem. Tem bastante gente ajudando, mas tem muita gente precisando de ajuda, então vamos ficar”

comentou o vocalista da Terezo.

Embora o país todo esteja mobilizado, Andy já percebeu, vivendo na pele e vendo muito de perto, que a situação das cidades afetadas está muito longe de ser resolvida em breve.

“Eles ainda estão precisando de muita ajuda, então quem puder continuar doando, continue, porque eles estão precisando. A gente tá vivendo uma coisa muito louca, de perto eu nunca imaginei viver algo assim na minha vida”

concluiu Andy.
andy-banda-terezo-ajuda-rio-grande-do-sul-1
Foto: Reprodução/Instagram.

Família mobilizada

Junto com a família, Andy criou uma verdadeira rede de solidariedade. Em Curitiba, mais especificamente em Pinhais, na Região Metropolitana, ficaram a esposa e a mãe do músico, que abriu a casa e a transformou em um “QG” de doações.

“Todas as doações estamos concentrando na casa da minha sogra Ângela, mãe do Andy. Lá nossa família está a todo vapor organizando, separando as doações por categorias pra ficar mais fácil quando chegar lá, abastecendo caminhão quando chega”

contou Lavinia Du Mortier.
lavinia-esposa-andy-terezo-ajuda-rs
Foto: Arquivo Pessoal.

Lavinia contou que a ideia inicial era apenas a de arrecadar algumas doações para mandar nas camionetes do grupo que foi ao Rio Grande do Sul. Mas a ação tomou proporções que nem eles imaginavam.

“Mas foi surreal o tanto de doação que recebemos, que seria impossível mandar só com eles. Eles levaram algumas coisas, mas diariamente temos enchido vans e caminhões com as doações que recebemos”

disse Lavinia.

Ajudar já está no histórico da família de Andy, que na pandemia também fez da casa da mãe um ponto de socorro com a arrecadação de doações. Não à toa, o espírito da solidariedade tomou conta do filho de Lavínia e Andy. Aos três anos, o pequeno Thomas Du Mortier Travasso não queria estar em Curitiba não. Mas sim com o pai.

Como ajudar?

A família de Andy e Lavinia continua arrecadando doações. Isso porque, como o próprio músico disse, a situação não vai melhorar de uma hora para a outra por lá. Para ajudar, são três formas:

Doações físicas, devem ser levadas diretamente ao endereço da família, na Rua Engenheiro Silvio Teixeira Pinto, 152, em Pinhais.

Doações em dinheiro: PIX para mantimentos é o CPF 067.057.439-21, Lavinia Du Mortier. PIX para ajudar no combustível dos jet skis, barcos e carros do grupo que está no Rio Grande do Sul é o e-mail [email protected].

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Cantor de Curitiba mobiliza ‘rede de solidariedade’ e vai ao RS para ajudar: ‘Cena que nunca imaginei ver’; veja vídeos

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.