Curitiba está passando por um surto de hepatite A. O alerta foi emitido pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). De janeiro a 15 de abril de 2024, dados preliminares, foram notificados 95 casos, que estão sob investigação do centro de epidemiologia da SMS. Uma pessoa morreu e outras duas mortes estão sendo investigadas.

hepatite-a-surto-curitiba
Foto: Ilustrativa/Pixabay.

Conforme dados da SMS, o comum sempre foi menos de 10 casos por ano. Em 2020, por exemplo, Curitiba teve apenas 2 diagnósticos. A última vez que a capital teve um pico de casos foi em 2018, com 21 pacientes diagnosticados. Mas nenhum deles foi grave ou morreu, já que a doença sempre foi amena.

Em alguns períodos as confirmações cresceram. Em 2012, foram confirmados cinco casos da doença na cidade; três em 2013; cinco em 2014; cinco casos também em 2020, 2021 e 2022.

Já na metade de 2023 os números começaram a crescer e o ano somou 20 pacientes. No primeiro trimestre de 2024, Curitiba saltou para 95 casos confirmados ou em investigação.

A jovem que teve a morte confirmada tinha 29 anos e morreu em fevereiro. Além dela, outras duas mortes ainda são investigadas.

Mudança de perfil

Muitos destes pacientes têm sido atendidos pelo Centro de Cirurgia, Gastroenterologia e Hepatologia (Cighep), do Hospital Nossa Senhora das Graças, que conta com hepatologistas especialistas no assunto.

A médica hepatologista Cláudia Pontes Ivantes, do Cighep, conta a preocupação dos especialistas, tendo em vista que muitos destes pacientes com hepatite A têm evoluído para forma grave da doença, com necessidade de internamento e até alguns casos de óbito.

“Estamos percebendo um grande aumento nos casos, mas o que preocupa mesmo é a gravidade deles”

relata a médica Cláudia Pontes Ivantes.

Ela explica que a hepatite A, antigamente, se manifestava em geral nas crianças, de forma leve. E em 99,9% dos casos o paciente ficava curado. Agora, o perfil mudou. Segundo Cláudia, a hepatite A está atingindo adultos jovens, com alguns casos evoluindo para forma grave e até óbito. Entre os graves, alguns precisam de transplante hepático.

Além de diarreia, mal-estar, náuseas e vômitos, que são comuns a diversas viroses gastrointestinais, quem está com hepatite A também pode apresentar febre, olhos amarelados e urina escura.

Como a hepatite A se dissemina

A hepatite A, explica a médica, é transmitida por via fecal – oral. Ou seja, a falta de lavagem cuidadosa das mãos após ir ao banheiro e antes de comer. A doença também é transmitida por água contaminada, principalmente em locais onde não há condições suficientes de saneamento. O vírus está presente nas fezes dos indivíduos. Pode permanecer vivo no meio ambiente por período prolongado e até cinco meses sendo eliminado pelo corpo humano.

O vírus também é transmitido pelos alimentos contaminados, ou seja, pelo consumo de frutas e verduras cruas que não foram devidamente lavadas e desinfetadas. Nos adultos, a transmissão também pode ocorrer pela relação sexual anal desprotegida, principalmente quando há a prática de sexo oral.

Mas por Curitiba ser uma cidade com altíssimo índice de saneamento (100% da população urbana é abastecida com água tratada e quase 98% têm acesso à rede coletora de esgoto, sendo que 100% do esgoto coletado é tratado) e pelas pessoas terem bom nível de conscientização da higienização dos alimentos, o motivo do surto agudo de hepatite A ainda é um grande mistério.

Segundo Cláudia Ivantes, a SMS está investigando o assunto e ainda não conseguiu desvendar a disseminação, que está ocorrendo principalmente nas regiões central e norte da cidade e em pessoas sem ligação umas com as outras.

Tem que vacinar

Além de uma boa higiene pessoal e com os alimentos, a vacinação é a forma mais eficaz de se prevenir.

No SUS, alerta a gastroenterologista do Cighep, a vacina só está disponível para crianças até quatro anos e para alguns grupos de pessoas com algumas doenças ou transplantados (veja a lista abaixo). A vacina contra o vírus da hepatite A pode ser aplicada a crianças e adultos na rede privada.

“A vacinação é bastante efetiva. Fica o alerta às pessoas que nunca tiveram hepatite, ou que não saibam se já tiveram ou não (alguns ficam assintomáticos), que busquem a vacina”

pede Cláudia Ivantes.

Além das crianças menores de quatro anos, têm direito à vacina da hepatite A pelo SUS pessoas com:

  • Hepatopatia crônica de qualquer etiologia, inclusive portadores do vírus da hepatite C e B.
  • Pessoas vivendo com HIV/aids.
  • Imunossupressao terapêutica ou por doenças imunossupressoras
  • Coagulopatias, doenças de depósito, fibrose cística, trissomias, hemoglobinopatias.
  • Candidatos a transplante de órgão sólido, cadastrados em programas de transplantes.
  • Transplantados de órgão sólido (TOS).
  • Transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH).
  • Asplenia anatômica ou funcional de doenças relacionadas.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Com uma morte confirmada e duas em investigação, Curitiba tem surto de hepatite A

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.