Uma pesquisa cênica acerca da vida e legado de Raimundo Irineu Serra, também conhecido como Mestre Irineu, proporciona uma experiência cultural através da tela de um celular. Por meio de vídeo chamadas de WhatsApp, a curitibana Bianca Lima, criadora do espetáculo chamado Candeeiro de Irineu, conta a história do homem humilde nascido no interior do Maranhão, em 1892, e fundador do Santo Daime – religião de matriz brasileira – na região do Acre.

 “Raimundo Irineu Serra foi um homem que movimentou muito a região por onde passou, deixando um legado que chega como referência do Brasil em muitos pontos do mundo. Falar sobre um homem negro e o seu legado, nos dias de hoje, é uma manifestação artística que contraria as estatísticas”, diz Bianca.

 A atriz, pesquisadora e arte educadora explica que a cultura popular presente nas manifestações religiosas e/ou folclóricas dos interiores do Brasil são o norte da narrativa deste trabalho. “O espetáculo se passa em um cenário itinerante, usando elementos que remetem ao Maranhão e ao Acre. Este trabalho acontece como fomento da cultura oral, para replantar o aspecto de cultura popular embutido nessas manifestações”, conta.

O trabalho é apresentado na linguagem de Teatro Lambe-Lambe, também conhecido como Teatro de Miniaturas, em que o espetáculo é de curta duração e acontece com a manipulação de bonecos, para um espectador por vez. Bianca utiliza a contação de histórias para narrar os fatos da trajetória de Irineu Serra.

 “Baseado em antigos fotógrafos que se escondiam em suas máquinas para tirar fotos nas praças do Brasil, o Teatro Lambe-Lambe nasce. Ele consiste em uma apresentação feita para um único espectador. Este, espia pelo buraco de uma caixa, onde o ator, manipulador de objetos, orquestra um show único”, acrescenta Bianca.

A atriz utiliza o Teatro Lambe-Lambe para contar a trajetória de Raimundo Irineu Serra (Foto: Reprodução/Bianca Lima)

 Com agendamento prévio, o espectador tem um contato direto com a atriz, que em tempo real apresenta a cena. A proposta, segundo Bianca, vem da necessidade do contato com o público para criação da obra. “Desenvolver um processo criativo em meio à pandemia nos convida a ressignificar afetos”.

 A primeira cena é um recorte do espetáculo e a experiência se destina a buscadores da cultura popular brasileira. Pensando em se reinventar e ao mesmo tempo estar perto do público, Candeeiro de Irineu conta com chapéu virtual, que é um depósito feito direto para atriz.

 “O chapéu virtual é uma oportunidade de contribuir com uma pesquisa artística em tempos pandêmicos. Assim, mantemos as relações e incentivamos artistas independentes”, conclui Bianca.

O espetáculo pode ser assistido em qualquer lugar do mundo. Para ter essa experiência, basta entrar em contato com Bianca pelo número (41) 9 9690-4435.

 

Serviço

O Candeeiro de Irineu

Produção Independente de Teatro Lambe-Lambe

Contato: Bianca Lima (41) 9 9690-4435.