Se tem algo que a capital dos pinheirais entende – e muito bem – é sobre o tal do rock and roll. E após a ressaca carnavalesca, nada melhor que uma boa barulheira para exaltar os aficionados pelo metal, punk e as diversas sonoridades que ecoam pelos cantos de Curitiba.

No sábado (05) se apresentam a partir das 19h, as bandas Égide, Sujeitos & Fulanos, Estação Zero Grau e Nylon. No domingo (06), a partir das 17h, sobem ao palco as bandas, Missicks, Valets, Zion’z e Atrocitus. A entrada para cada dia do Festival Rock no Pinheiro tem o valor de R$20. (Foto: Divulgação)

E por falar em redutos, se existe um local onde a nova geração da cena musical tem espaço aberto para subir ao palco é o 92 Graus. Icônico, irreverente e sempre reconhecido por ser o ponto de encontro de diversas gerações da cidade, neste final de semana, o Festival Rock no Pinheiro apresenta oito bandas, e celebra a primeira edição presencial, desde a idealização do projeto em 2020.

O Rock no Pinheiro começou como um projeto de TCC na pós-graduação de Jornalismo. O intuito foi falar sobre o rock em Curitiba e Região Metropolitana através das redes sociais e podcast, dando assim, uma visibilidade para o gênero na região“, conta por e-mail o jornalista, apresentador, produtor e agitador cultural Yuri Braule, idealizador do projeto.

O Rock no Pinheiro acontece em Curitiba e RMC há dois anos. Fundado em 13 de janeiro de 2020, além dos formatos para a rádio e podcast, desta vez, a proposta vai além dos estúdios e sobe ao palco.

Em outubro de 2020, o Rock no Pinheiro recebeu o convite da Gralha azul FM para trazer o primeiro programa de rádio voltado para o rock na história de Araucária. Atualmente, o Rock no Pinheiro é composto de um programa de entrevistas, feito em parceria com o Estúdio Bunker Cultural e que é transmitido ao vivo todas às terças no YouTube e no Facebook do projeto, além de um programa de rádio que é transmitido na Alternativa Rock e na Rádio Itupava 1299“, promove o jornalista que realiza neste final de semana o Festival alusivo ao projeto.

Focado principalmente em aristas da nova cena underground, o Festival Rock no Pinheiro consolida a necessidade de eventos como este para a visibilidade, fortalecimento e principalmente, para impulsionar o setor do entretenimento que, além de ter sido o primeiro a ser impactado pela paralização ocasionada pela pandemia, aos poucos, têm reestabelecido a sua força no mercado. Conheça as bandas que se apresentam nesta edição:

Égide

Nenhuma descrição de foto disponível.

Diretamente de Campina Grande do Sul e muito além do escudo de Zeus, a banda Égide completa 19 anos de trajetória do puro e autêntico rock. Pelas plataformas de streaming, a banda liderada pela frontwoman Hany Trudes lançou em 2021 o álbum homônimo, com sete faixas. “Égide” (2021) está distribuído pelas plataformas de streaming.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Sujeitos & Fulanos

Pode ser uma imagem de 2 pessoas e área interna

Com influências do pop-rock e referências dos anos 1960, a Sujeitos e Fulanos é um duo formado Gabriel Paixão (vocal e guitarra) e Gabriel Cesar (bateria). Com cinco anos de estrada e canções que permeiam crônicas sentimentais e desventuras do cotidiano, entre 2020 e 2021, o duo lançou cinco singles. O mais recente é “Um Amor Assim” que ganhou clipe com direção realizada pelos próprios artistas.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Estação Zero Grau

Nenhuma descrição de foto disponível.

Lançado no final de janeiro deste ano, o quinteto da Estação Zero Grau apresenta pela primeira vez as canções do EP “Amor em Caixa Alta“. Com cinco faixas, o projeto chegou com dois clipes, “A gente se dá Bem” (Tiago Ferreira / Gilberto Sanabe) e “Xadrez” (Tiago Ferreira), ambos com direção de Andressa Placeres.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Nylon 

Pode ser uma imagem de 4 pessoas, pessoas tocando instrumentos musicais, pessoas em pé, violão e área interna

Com quatro anos de trajetórias, dois álbuns e diversos singles, nesta sexta-feira (04) a Banda Nylon lança a versão da música “Coisa Mais Gostosa(Ricardo Zimetbaum), clássico dos anos 1980 imortalizado pela banda Dr. Silvana & Cia. Com referências da surf music que norteiam a sonoridade da Nylon, a banda com quatro anos de trajetória é formada por Rui Bocchino (voz e gaita), Lu Bredda (violão), Tito Castelan (violão), Fabio Rudnik (baixo) Thales Calonaci (bateria) e Cris Cademartoni (teclado).

(Foto: Reprodução/Facebook)

Missicks

Nenhuma descrição de foto disponível.

Formado pelo quarteto Gael Ritt (bateria e voal), Willian Wojeicki (guitarra e vocal), Lucas Zuck (baixo e vocal) e Jardel Machado de Lima (guitarra), a Missicks se prepara para lançar o primeiro EP pelos próximos meses. Enquanto o trabalho novo não chega, pelas plataformas de streaming da banda, é possível conferir os singles Lust River” (2021) e “A Coffe with th Devil” (2021) onde a banda deixa claro as influências do rock alternativo.

Valets

Formado por Júlio Mendes (voz e guitarra), Roberto Silva (bateria), Jeff Alves (baixo e backing vocals), Eleandro Smaha (guitarra), o quarteto da Valets traz em seu repertório musical as influências do grunge, heavy metal, progressivo e alternativo. Ainda sem nenhuma música distribuída pelas plataformas de streaming ,enquanto trabalham em seu primeiro e já aguardado projeto, a banda participou no final de 2021 do icônico projeto Tenda onde apresentam a música “Vestígios“.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Zion’z

Pode ser uma imagem em preto e branco de 5 pessoas, pessoas sentadas e ao ar livre

Com 18 anos de trajetória, a Zion’z apresenta em sua bagagem sonora a escola do new metal. Em “Metanoia” o novo álbum da banda lançado em fevereiro, o quinteto deixa claro ao longo das dez faixas as influências que conduzem a positividade altruísta do projeto. Com letras onde evocam e emanam a espiritualidade para dias melhores, “Metanoia” apresenta canções em português e inglês. Além das referências do rock, o projeto traz outras nuances sonoras que enriquecem a produção, como a faixa “Jah Me Abençoa” e “Siloé“. O projeto traz ainda as participações de Gilsimara Lima e Samuca Hebert.

(Foto: Reprodução/Facebook)

Atrocitus

Pode ser uma imagem de uma ou mais pessoas e pessoas tocando instrumentos musicais

Daqueles projetos onde rotular a sonoridade seria castrar a potência musical. É por este caminho que a Atrocitus constrói a sua bagagem pela cena. Formado pelo W. Huan (baixo e vocal), Petherson Trudes (guitarra), Ideraldo Ferreira (guitarra) e Ian Schmoeller (bateria), o quarteto natural de Campina Grande do Sul tem seis anos de trajetória. Do gutural com referências do samba-psicodélico (intro) e fortemente influenciados pelo death metal, o EP mais recente da banda “O Que Será de Nós” (2021) apresenta seis faixas e faz parte da trilha sonora do curta “Martírio” com direção de Yasmin de Carvalho.

Serviço | Festival Rock no Pinheiro
Quando: 05 (sábado) e 06 (domingo) de março
Horário: Sábado (19h) e domingo (17h)
Valor: R$20 (para cada dia do evento)
Local: 92 Graus
Endereço: Av. Manoel Ribas, 108 – São Francisco
Line up de sábado: Égide, Sujeitos & Fulanos, Estação Zero Grau e Nylon.
Line up de domingo: Missicks, Valets, Zion’z e Atrocitus

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Rock no Pinheiro consolida a nova cena com festival no 92 Graus

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.