O Ciclo de Exposições Afetos Urbanos e Cidades Possíveis, que teve início em outubro de 2021 no segundo andar do teatro Ópera de Arame, inicia sua segunda fase a partir desta terça-feira (26). Nesta nova etapa do projeto chamada de Linhas, Apropriações e Imaginação Digital, dez artistas curitibanos reunirão obras que buscam as relações entre o analógico e o digital, trabalhando o conceito das linhas dos desenhos, colagem, performance e imagem digital.

vale da música
Divulgação

“A ideia é mostrar de que forma os lugares que habitamos são experienciados de maneiras subjetivas, em torno de relações afetivas e tentativas de transformá-los em nossos lares, usando e abusando da relação entre os mundos analógicos e digital”, conta a curadora do projeto, Milena Costa.

Entre os artistas que participam do segundo Ciclo estão Matheus Veloso, Aricia Machado, Jessica Luz, Cintia Ribas, Leandro Catapam, Ketty Kesy, Guadalupe Presas, Eliana Brasil, Adrian Cissé e Maria Baptista.

“A ideia do Ciclo como um todo é mostrar de que maneira a produção artística contemporânea local vem se relacionando com a cidade e, com isso, oferecer à cidade a oportunidade de valorizar artistas locais”, conta Gabriella Leão, gerente de marketing da Ópera de Arame.

A mostra estará exposta em frente aos camarotes da Ópera de Arame, no segundo andar, e fica disponível para visitação durante todo o funcionamento do projeto Vale da Música, de terça a domingo, das 10h às 18h. A expectativa é que este segundo ciclo fique em exposição até o mês de setembro, aumentando as chances dos visitantes conhecerem as obras.

Ainda, para os amantes de artes, vale aquela esticadinha até o palco da Ópera para conhecer a exposição “Do Ritmo ao Algoritmo”, que reúne 15 painéis gigantes criados por três artistas curitibanos e que recontam a história da música no mundo. “Cada vez mais queremos que as pessoas que venham até a Ópera respirem e consumam arte. Este é o nosso propósito maior, movimentar a cena cultural da cidade, tanto para os criadores, produtores, idealizadores, quanto para o público, que precisa de conteúdo artístico e cultural de qualidade”, explica Gabriella.

Ciclo de Exposições

O Ciclo de Exposições Afetos Urbanos e Cidades Possíveis teve início em 2021 e vem oferecendo ao público três mostras coletivas, cada uma com quatro meses de duração e que reúne diversos artistas locais que mostrarão a cidade de Curitiba sob o olhar da produção jovem e contemporânea expressos na fotografia, na arte digital e na arte urbana.

A primeira fase do Ciclo, “Afetividades fotográficas nas Curitibas possíveis”, reuniu dez artistas que trouxeram a fotografia para retratar a cidade por meio das suas experiências cotidianas, entre eles: Anderson Angélico, Gio Soifer, Giorgia Prates, Isabella Lanave, Lucas Pontes, Maurício Savrassoff, Pedro Vieira, Pretícia Jerônimo, Ricardo Perini e Tárcilo Pereira.

Ciclo de Exposições Afetos Urbanos e Cidades Possíveis

Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h
Valor para entrada no Vale da Música: R$ 15,00 inteira e R$ 7,50 meia-entrada. O benefício é válido para pessoas que estejam dentro da lei da meia-entrada, crianças de até 12 anos e para moradores de Curitiba e região metropolitana, que precisam levar um comprovante de residência para obter o desconto. 
Endereço: Rua João Gava, 970 – Abranches.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Segundo ciclo da exposição Afetos Urbanos e Cidades Possíveis chega ao Vale da Música, na Ópera de Arame

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.