O Sindicato dos Professores de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes) denunciou, na manhã desta quinta-feira (16), a demissão de cerca de 50 docentes da Universidade Positivo (UP). Segundo a entidade trabalhista, as demissões ocorrem em reuniões marcadas de dez em dez minutos. Para o sindicato, há uma clara intenção da UP em encerrar os cursos de licenciatura, informação que não é confirmada pela instituição.

Foto: Divulgação

O presidente do Sinpes, Valdyr Perrini, afirma que vários indícios já apontavam para as demissões. “As coisas estavam se armando para essa situação, uma vez que praticamente todos os coordenadores já haviam sido demitidos. Nós já imaginávamos que isso pudesse ocorrer, mas não com essa violência, com essa truculência que ainda está ocorrendo”, disse.

De acordo com o sindicato, a UP esperou a data limite para os professores entregarem as notas dos alunos para divulgar a lista de demitidos. Os desligamentos se deram em diversos cursos, tanto nos presenciais quando nos da modalidade à distância.

Segundo Perrini, a maioria das demissões é resultado da extinção de cursos de licenciatura na modalidade presencial. “Sabemos que inúmeros cursos presenciais, como Ciências Biológicas, Matemática, Educação Física, Pedagogia, Química, Física, então isso acarreta no número alto de demissões. O objetivo, para nós, é extremamente danoso para os alunos. O grupo Cruzeiro do Sul está transformando a Universidade Positivo em um ‘colegião’, em detrimento da excelência de ensino”, afirmou.

A Universidade Positivo (UP) foi vendida para o grupo de ensino Cruzeiro do Sul, em dezembro do ano passado.

Outro lado

Diante da denúncia, a Banda B entrou em contato com a assessoria da Universidade Positivo, que enviou nota à reportagem. Confira na íntegra:

A Cruzeiro do Sul Educacional, uma das maiores organizações educacionais do Brasil, reconhecida por seus indicadores de qualidade no ensino e na pesquisa, atua desde 1965 no desenvolvimento e na formação de profissionais e cidadãos.

Durante os 55 anos de desenvolvimento deste projeto e da construção desta organização, sempre foi absoluta e intransigentemente fiel aos seus compromissos com a educação e seus alunos, parceiros, fornecedores, colaboradores e o poder público. Em todas estas décadas, nunca deixou de observar a pontualidade quanto aos seus compromissos e nem colocou de lado sua responsabilidade por cada colaborador.

Neste momento triste e sem paralelos de crise mundial que se abateu sobre o Brasil desde meados de março e atinge a praticamente todos os setores da economia, a Cruzeiro do Sul Educacional tem evitado tomar medidas mais drásticas, mesmo sofrendo com o aumento expressivo da inadimplência e da evasão, resultados do impacto da pandemia no emprego e na renda de seus alunos e famílias.

Justamente no momento da incorporação e integração da Universidade Positivo à Cruzeiro do Sul Educacional, o agravamento e prolongamento da crise econômica, somados às incertezas quanto ao próximo semestre, levaram o grupo a adotar uma adaptação de custos, inclusive e inevitavelmente de pessoal, de modo a manter e preservar minimamente a saúde financeira, a qualidade de sua operação e a pontualidade dos seus compromissos, assim como – e principalmente – os milhares de empregos que continuarão a ser gerados em um futuro que se espera próximo e melhor.

 A Cruzeiro do Sul Educacional reconhece e agradece a valiosa contribuição dos colaboradores que estão, neste momento difícil para todos, sendo desligados. Ao mesmo tempo, tem a certeza de que continuará a desenvolver seu projeto nacional de qualidade com ainda mais afinco, assim como tem demonstrado ao longo dos últimos anos melhorando, sem exceção, os indicadores acadêmicos oficiais de todas as instituições de ensino incorporadas. Que este momento excepcional seja breve e que a retomada seja vigorosa, bem como demande um número muito maior de contratações.