O grupo Cruzeiro do Sul Educacional, responsável pela Universidade Positivo (UP), enviou ao Sindicato dos Professores de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes) uma nova proposta de acordo para os professores e professoras demitidos da instituição de ensino no mês de julho de 2020. Entre as propostas, está um auxílio alimentação de R$ 600.

Foto: Universidade Positivo/Divulgação

De acordo com o documento, apenas os professores que não são contemplados com bolsas de estudos na UP poderão receber esse benefício. O valor seria creditado em cartão eletrônico em parcelas de R$ 200 durante o período de 3 meses: outubro, novembro e dezembro de 2020.

Aos demitidos com bolsas de estudos junto à Universidade Positivo, próprias ou de seus dependentes, a Cruzeiro do Sul propõem manter o benefício, sejam nos cursos de graduação ou pós-graduação. As bolsas seriam mantidas até a conclusão do respectivo curso.

Outra proposta é a manutenção das bolsas de estudos que vinham sendo dadas aos filhos dos professores, nos colégios Positivo, nos mesmos percentuais e condições praticados neste ano. Este benefício (bolsas aos filhos) seria mantido até o término da etapa educacional em curso ou até dezembro de 2022, o que ocorrer antes.

“Todos os benefícios oferecidos neste documento ficam condicionados ao não ajuizamento pelo SINPES de Ações Plúrimas, Coletivas, Cautelares ou Ações Civis Públicas questionando os atos praticados pela Universidade Positivo nos desligamentos ou reivindicando direitos individuais dos professores desligados no mês de julho do corrente ano”, reivindica o grupo na contraproposta.

Uma avalanche de demissões de professores atingiu as universidades particulares de Curitiba em 2020. De acordo com o Sinpes, apenas em julho a UP demitiu cerca de 50 docentes.

Uma Assembleia Geral Virtual foi marcada pelo Sinpes a ser realizada na próxima sexta-feira (25) para que seja discutida a contraproposta encaminhada pela universidade.