Foto: Agência Brasil

 

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) divulgou, nesta segunda-feira (19), pesquisa sobre a expectativa dos consumidores com a Black Friday, tradicional dia de promoções que acontece na próxima sexta-feira (23), tanto no comércio eletrônico quanto no varejo físico. Entre os números divulgados, 32,1% admitem que podem comprar além do habitual na sexta, seja por estar precisando do produto ou serviço, ou mesmo sucumbir às compras por impulso.

Clientes geralmente compram por impulso quando ficam com receio de perder ofertas, por uma satisfação imediata, e também pelo efeito manada, quando um grupo de pessoas segue um comportamento de outro grupo de maneira instintiva.

De acordo com o levantamento, a maioria (54,1%) afirma não se sentir motivada a comprar nesta data. Mas há aqueles que, inclusive, clientes que adiantam as compras de Natal na Black Friday e admitem comprar mais por causa do apelo dos preços mais baixos. A sondagem mostra ainda que 21,3% compram mais na Black Friday do que em épocas normais; 46,6% disseram não sofrer qualquer tipo de influência.

Dos 34,8% dos consumidores que acreditam nos benefícios reais da promoção, as buscas na semana de 19 a 23 de novembro são variadas e incluem eletrodomésticos, cosméticos, vestuário, calçados, restaurantes, agências de viagens, entre outros.

Em 2017, os setores do comércio varejista mais movimentados pela promoção foram o de móveis, decorações e utilidades domésticas, que ampliaram as vendas em 26,53% em relação a outubro, óticas, cine-foto-som, com alta de 15,46%, além das lojas de departamentos (8,79%), materiais para construção (6,28%), vestuário e tecidos (5,04%) e o setor de veículos (5,04%), conforme dados da Pesquisa Conjuntural do Comércio, realizada e divulgada mensalmente pela Fecomércio PR.

O que evitar?

Na semana passada, o Procon São Paulo divulgou uma lista de sites que devem ser evitados na Black Friday. A lista inclui os sites que tiveram reclamações de consumidores registradas no Procon-SP, foram notificados, não responderam ou não foram encontrados. O documento ultrapassa 500 lojas virtuais e é organizado em ordem alfabética a partir do nome da fantasia da empresa, incluindo ainda o CNPJ correspondente.

Confira a lista completa clicando aqui.