Dona do apartamento que explodiu no dia 29 de junho, no bairro Água Verde, em Curitiba, Raquel Lamb,de 23 anos, recebeu alta na tarde desta quinta-feira (8). Ela era a última vítima internada em decorrência do trágico acidente, que aconteceu durante um serviço de impermeabilização de sofá. Na ocasião, o irmão de Raquel, Mateus Lamb, de 12 anos,  morreu ao ser arremessado pela explosão.

Gabriel e Raquel se reencontraram nesta quinta-feira (Foto: Arquivo Pessoal)

 

Raquel, que teve 55% do corpo queimado, vai morar com os pais ao lado do marido, Gabriel Araújo, de 28 anos, que queimou 30% do corpo. “Ela vai morar junto com o Gabriel e agora continua em tratamento das queimaduras. É uma nova etapa que começa, de ter que lidar com o luto fora do hospital”, disse à Banda B a advogada Rafaela Munhoz da Rocha Lacerta, que representa a família.

Além do casal, o técnico de impermeabilização, Caio Santos, de 30 anos, também se feriu. Ele foi o primeiro a receber alta da casa hospitalar.

Laudo

O Instituto de Criminalística do Paraná concluiu nesta terça-feira (6) o laudo sobre a explosão em apartamento do bairro Água Verde, em Curitiba, que matou o pequeno Matheus Lamb, de 12 anos. Segundo o documento, a causa do acidente foi o uso inadequado dos produtos líquidos inflamáveis utilizados na impermeabilização de um sofá, no último dia 29 de junho.

Investigação

De acordo com o delegado Adriano Choffi, que investiga o caso, o trabalho da perícia reforça a teoria do crime cometido pelos proprietários da empresa de impermeabilização. “Houve crime e os donos serão indiciados por vários crimes. Nós vamos relatar esse inquérito e encaminhar ao Ministério Público. Houve um homicídio, três lesões corporais e o crime de explosão. Estamos verificando ainda a forma pela qual faremos o indiciamento do homicídio, se será doloso ou culposo”, acrescentou o delegado.