Tucanos vistos no bairro Umbará, em Curitiba, ganharam as redes sociais nesta quarta-feira (3), especialmente porque a internauta Jéssica Vieira, responsável pelas imagens, relatou nunca ter percebido a presença deles na região. Ela observou as aves por volta das 12h quando a filha gritou para a mãe sobre os visitantes inusitados.

 

“A minha filha saiu gritando que estava tucanos. Quando eu bati o olho, eram as aves mesmo. Ficaram cerca de 15 minutos voando em torno da minha casa, principalmente nos pinheiros, de uma árvore para a outra. É difícil de ver por aqui, mas outros vizinhos falaram que já tinham visto eles também”, afirmou Jéssica em entrevista à Banda B.

Estamos vendo mais bichos?

O biólogo Marcelo Limont, doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento, afirmou que estamos vendo mais animais exóticos na pandemia sim, mas não porque eles estão ‘invadindo as cidades’. “As aves, de um modo geral, têm uma área de vida ampliada, percorrendo grandes extensões procurando alimentos. O avistamento se dá por conta do solamento social, porque com a pandemia estamos ficando mais em casa e percebendo mais o Meio Ambiente”, disse à Banda B.

Segundo Limont, não há estudos que comprovem que o isolamento social tenha cooperado para um aparecimento maior destes animais. “Isso sempre aconteceu, mas estamos avistando mais por estarmos em casa. O que preocupa é que os animais estão tendo que sair do habitat natural e vir para cá. Pelo isolamento social, inclusive, estudos apontam que isso pode melhorar a questão da preservação dos habitats dos bichos”, destacou.

Além de tucanos, alguns condomínios têm convivido com macacos nos jardins, inclusive com casos de moradores que foram mordidos por eles. O biólogo explica agora o que fazer quando houver a presença destes animais. “A orientação é não chegar perto, porque normalmente ele faz algo e vai embora. Se necessário, procurar os órgãos ambientais”, salientou.

Por fim, Limont deixou uma reflexão à população. “Precisamos refletir sobre nossas ações enquanto seres humanos, principalmente em relação à natureza. O fato de vermos mais bichos, é um sinal de que algo está em desequilibrio, porque eles não se expõem assim facilmente”, concluiu.