A Urbanização de Curitiba (Urbs) vai implantar a marcação de distanciamento de 1,5 metro entre os passageiros nas filas em todos os 22 terminais da cidade.

Fiscais e agentes da Guarda Municipal estão orientando a população sobre a necessidade de manter a distância de pelo menos quatro passos entre os passageiros e a obrigatoriedade do uso de máscaras. Nos terminais, os ônibus só podem sair com lotação máxima de 50%.

As medidas seguem as normas editadas na resolução 01/2020, da Secretaria Municipal da Saúde, para combater a pandemia do novo coronavírus.

Já há marcações nos terminais Pinheirinho, Santa Cândida, Cabral, Campo Comprido, Boqueirão e Centenário e nos tubos da Rui Barbosa, Carlos Gomes e Estação Central – Foto: Ricardo Marajó/SMCS

“É preciso que a população tenha a consciência de que essas medidas são fundamentais para evitar o avanço da Covid-19. O passageiro terá que esperar o próximo ônibus se o primeiro já estiver com metade da ocupação”, diz Ogeny Pedro Maria Neto, presidente da Urbs.

Desde segunda-feira (27) funcionam marcações nos terminais Pinheirinho, Santa Cândida, Cabral, Campo Comprido, Boqueirão e Centenário e nos tubos da Rui Barbosa, Carlos Gomes e Estação Central.

Também é necessário, segundo ele, que os patrões tenham flexibilidade em relação às mudanças que a pandemia está provocando na rotina dos trabalhadores. “A frota está bem acima da demanda, mesmo com o aumento do fluxo nos últimos dias. Então, temos carros disponíveis para atender a todos. Mas o passageiro, em algumas vezes, terá que aguardar o próximo ônibus para evitar aglomeração e se expor ao risco de contágio do novo coronavírus ”, completou.

De acordo com a Guarda Municipal, desde o início da ação, na segunda-feira, foram realizadas 457 orientações a passageiros referentes ao uso de máscaras e distanciamento. Áudios transmitidos em eixos do transporte coletivo também orientam sobre as novas normas. Na próxima segunda-feira (4/5) começam a ser distribuídos aos passageiros 50 mil folders explicativos sobre as novas regras de conduta. Também serão colocadas faixas nos terminais e cartazes nas estações-tubo.

As ações dos fiscais estão concentradas no pico do horário da manhã, entre 6h e 8h, nos terminais, e no pico da noite, entre 17h e 19h, nas estações-tubo das praças Carlos Gomes, Rui Barbosa e na Estação Central.

Horários alternativos

Maia Neto também reforça a necessidade de o comércio estabelecer horários alternativos de funcionamento, para evitar a superlotação no início e no fim do dia. Em reunião na Associação Comercial do Paraná (ACP) nessa semana, Maia Neto pediu que a entidade oriente seus associados a seguir o horário proposto por ela, das 10h às 16h, para evitar a superlotação dos ônibus em horários de pico e colocar em risco a vida dos trabalhadores do setor.

Capacidade

O sistema de transporte coletivo opera com uma frota quase cinco vezes maior que a demanda atual, que é de 237 mil passageiros por dia. Para se ter uma ideia, antes da pandemia, esse volume era de 759 mil pessoas. A queda é de quase 70%.

“Não se trata de aumentar a frota, que opera com folga em relação à demanda para evitar a superlotação. A questão é evitar que os ônibus lotem em alguns horários específicos. E para isso é preciso a colaboração e responsabilidade de todos”, diz Maia Neto.

O monitoramento da frota é diário e a Urbs mantém ônibus reservas para serem acionados em caso de super demanda. A Urbs também fez um apelo para a Comec (Coordenação da Região Metropolitana ) para reorganizar o fluxo de veículos vindos da Região Metropolitana, evitando a lotação nos terminais de Curitiba.