A Roca Brasil Cerámica/Incepa confirmou, em nota enviada à imprensa nesta quinta-feira (9), que o diretor-geral Bruno Borer não morreu em decorrência de Covid-19. De acordo com a empresa, o laudo apresentou como causa mortis uma síndrome respiratória aguda em decorrência de uma pneumonia viral. Morador de Campo Largo, na região metropolitana, Borer morreu em um hospital de Curitiba na última quarta-feira (8).

Reprodução

Segundo a nota, toda a equipe da empresa que atuou em tempo integral durante evento em São Paulo seguiu em quarentena, conforme os protocolos de saúde indicados pelo Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde, incluindo Borer.

“Logo após o retorno da feira, aqueles que apresentaram sintomas de gripe foram testados. No total, foram realizados 9 testes de detecção do Covid-19, sendo confirmados em 3 colaboradores. Estes residem em Curitiba, ficaram isolados e já estão recuperados, em bom estado de saúde. Todos, sem exceção, receberam todo suporte e orientações da equipe médica da empresa e do Ministério da Saúde”, informou a empresa.

A empresa informou ainda que os colaboradores das áreas Administrativa, Jurídica, TI, Compras, Marketing, Financeira, Logística, Comercial e RH seguem trabalhando em sistema de home office. “Para a operação industrial, a Roca Brasil Cerámica ampliou e intensificou os protocolos em todos os ambientes das fábricas, envolvendo desde a portaria, área de produção e até expedição. Na fábrica, todas as pessoas de grupo de risco estão em banco de horas, home office ou férias”, conclui a nota.

Ainda de acordo com a empresa, a Roca prestou assistência integral a ele e sua família.