Um tremor de magnitude 2.2 na escala Richter foi percebido por moradores de Rio Branco do Sul, região metropolitana de Curitiba, às 21h31 da última terça-feira (07). Segundo especialistas, tremores de terra desta intensidade são considerados pequenos e estão dentro do esperado para o território nacional.

Foto: Divulgação

Após o tremor, moradores do município e arredores ligaram e enviaram mensagens ao Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG/USP) relatando o ocorrido. A vibração não foi detectada automaticamente pelas estações do instituto de pesquisa, mas após os contatos informando o horário do acontecimento, ela foi registrada a analisada pelos técnicos, os quais confirmaram sua ocorrência e sua magnitude. “Quando tremores dessa escala acontecem em lugares não habitados ou poucos habitados, as pessoas nem percebem. Mas como ele ocorreu em uma região urbana ou nas imediações, acabou sendo percebida e assustando parte da população”, afirmou o técnico de sismologia do IAG-USP, José Roberto Barbosa.

Segundo o técnico, esses abalos acontecem devido às tensões acumuladas nas placas tectônicas. “Essas placas estão se movimentando alguns centímetros a cada ano. Nessa movimentação, o material heterogêneo do qual elas consistem vão acumulando tensões que são liberadas gradativamente em forma de pequenos tremores como esse que aconteceu”, explicou Barbosa.

No dia 23 de abril, um outro tremor foi registrado em Rio Branco do Sul, desta vez alcançando 2.5 na escala Richter.