Um vídeo que mostra taxistas e um homem que seria motorista clandestino discutindo e trocando socos viralizou nas redes sociais, nesta sexta-feira (10), provocando polêmica entre os internautas. A briga teria acontecido por volta das 9h da manhã, na rodoferroviária de Curitiba.

(Foto: Reprodução)

André Ronaldo de Aquino, um dos taxistas envolvidos na situação e há 10 anos na profissão, conta que a categoria está tendo problemas com “motoristas piratas” no local desde o ano passado e que o homem que aparece nas imagens já estaria atuando na rodoferroviária há vários dias. “Desde o ano passado estamos tendo muitas complicações com os piratas, que vão contra a lei, sem autorização municipal, nem federal para abordar passageiros dentro da rodoviária. Já denunciamos o caso para a Urbs, pedimos uma posição da rodoviária, já fizemos de tudo, mas ninguém nos atendeu. Há dias esse rapaz estava interceptando pessoas por ali”, revelou o taxista que conta ainda que o homem faria parte de um grupo de motoristas clandestinos.

Na situação desta sexta-feira, Aquino teria abordado passageiros prestes a fazer uma corrida com o motorista irregular. “Nós fomos até os passageiros e perguntamos se eles tinham pedido a corrida pelo aplicativo. Eles responderam que não e que tinham sido abordados pelo homem informando o valor da corrida. Nós alertamos os passageiros que o motorista era clandestino e que eles não estariam em segurança. Então tirei a bolsa da mão do pirata, devolvi para os passageiros, empurrei esse motorista e isso deu início à briga”, relatou Aquino.

O “motorista pirata” teria chamado a Polícia Militar (PM) para intervir na situação. Uma equipe da PM foi até o local e teria sido desacatada pelo homem. “Ele chamou a PM, que veio até mim e eu mostrei o vídeo para eles. Eles viram que nós não éramos os agressores e que o rapaz na verdade estava nos agredindo. Nesse momento, o pirata desacatou o policial. Ele foi hostil e saiu do local”, contou Aquino.

O taxista destaca que sua maior preocupação com os motoristas que atuam de forma irregular não é econômica, mas sim referente à segurança da população. Já que esses profissionais não são cadastrados pela Urbs, não respeitam a regulamentação e muitos deles já teriam, inclusive, sido expulsos dos aplicativos.

Em nota, a prefeitura informou que a Urbs faz fiscalização permanente de transporte clandestino e que a população pode colaborar não usando este tipo de serviço. O espaço desta reportagem está aberto para a manifestação do outro motorista que apareça nas imagens.

Assista ao vídeo: