O custo para cada passageiro transportado pela Rede Integrada de Curitiba e região metropolitana é maior do que o valor da tarifa cobrada.

A chamada tarifa técnica reúne todos os custos efetivos e está hoje em R$ 4,79 – uma diferença de R$ 0,29. A diferença entre tarifa técnica e a tarifa do usuário é bancada pelo Fundo de Urbanização de Curitiba, uma conta em que ficam depositados os valores movimentados pelo transporte.

Foto: Divulgação

Na sexta-feira (22/02), a Prefeitura e o Governo do Estado firmaram um acordo para dividir os custos desse déficit para o sistema.

É uma forma de diminuir o impacto dos reajustes para os usuários pagantes.

Além de todos os custos envolvidos no sistema de transporte, o número de não pagantes tem peso representativo na tarifa.

O sistema transporta atualmente 1,3 milhão passageiros por dia, sendo que 600 mil são, efetivamente, pagantes.

Os não pagantes são beneficiários de isenções asseguradas por lei, como idosos, pessoas com deficiência e estudantes (meia passagem) , além dos oriundos da região metropolitana que se beneficiam com a tarifa.