Prejuízo com algumas práticas dos consumidores chegou a R$ 7 bi em 2016 – Foto: EBC

Escolher um produto congelado em um supermercado, desistir da compra e deixá-lo em um local sem condições apropriadas para o seu armazenamento é apenas uma das causas que geram uma enorme perda para o setor supermercadista e toda a sociedade. Em 2016, segundo a Abras (Associação Brasileira de Supermercados), as perdas do setor somaram um montante de R$ 7,11 bilhões.

Estes R$ 7,11 bilhões representam uma grande perda para toda a população, pois é um valor que poderia ter sido investido em novas lojas, novos empregos e em instalações mais eficientes, modernas e confortáveis.

Para discutir o tema e incentivar boas práticas no setor, a Apras (Associação Paranaense de Supermercados) realiza neste dia 21 de setembro, das 8h30 às 13h, no Teatro Sesc da Esquina, o Fórum de Prevenção de Perdas aos supermercadistas paranaenses. “Neste Fórum, trazemos os supermercadistas do estado para compartilhar conhecimentos e as experiências adquiridas com a prática da profissão. Com a união de todos, cada empresa poderá melhorar os seus resultados, que vão além de uma melhor rentabilidade para o setor, já que impacta diretamente toda a sociedade”, afirma o presidente da Apras, Pedro Joanir Zonta.

Diversos palestrantes de renome nacional sobre o assunto vão participar do evento, como o Presidente da Comissão de Prevenção de Perdas da SBVC – Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, Carlos Eduardo Santos. Cases de sucesso de algumas empresas também serão apresentados, como da empresa Angeloni e Cassol.

Reforma trabalhista e terceirização

No próprio dia 21, das 14h às 18h, também no Teatro Sesc da Esquina, a Apras realiza o Fórum de Impactos nas Empresas com a Reforma Trabalhista e a Terceirização. O Evento tem como objetivo esclarecer as dúvidas sobre a modernização da legislação trabalhista e traz especialistas para comentarem as mudanças e sanarem as dúvidas dos participantes.

Para o presidente da Apras, a Reforma Trabalhista traz diversos benefícios à população como um todo. “Com ela, serão gerados mais empregos e tanto os empresários quanto os trabalhadores passam a ter mais liberdade nas negociações. Um sistema engessado só trava o avanço do país e esta reforma representa a evolução de nossas leis e das relações de trabalho entre a empresa e seu colaborador”.

Entre os palestrantes estão o Juiz do Trabalho, Dr. Amaury Haruo Mori, e o Dr. Elias Martins, do Ministério do Trabalho. Os advogados Dr. Thiago Fuzinelli e Dra. Leidiane Cintya Azeredo também vão palestrar no evento.