Após questionamentos feitos pela Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (Adepol), em entrevista concedida à Banda B, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) informou nesta quinta-feira (24) que vai discutir a retomada do concurso da Polícia Civil na primeira semana de outubro. O debate irá reunir a Comissão do Concurso da Polícia Civil do Paraná e a Banca Examinadora da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Foto: AEN

“A Secretaria da Segurança Pública (Sesp) esclarece que é sensível quanto às questões e trabalha diariamente para resolvê-las. No último ano, inclusive, anunciou concursos para as instituições vinculadas. Somente para a Polícia Civil foram abertas 400 vagas (e teve mais de 106 mil inscritos), porém, o processo seletivo precisou ser adiado por conta da pandemia do Covid-19”, informou a pasta.

Segundo o presidente da Adepol, Daniel Fagundes, a realização do concurso é urgente, uma vez que a corporação trabalha atualmente com cerca de 46% do efetivo exigido em lei. “A Polícia Civil passa por um processo de sucateamento muito grande. Hoje o Governo do Estado não garante nem a célula essencial, que é formada por dois policiais. Uma simples intimação depende de dois, então imagina a segurança de presos. No Paraná, hoje temos cerca de 46% do efetivo previsto em lei. Deveríamos ser quase 9 mil policiais, mas infelizmente não chegamos a 4 mil”, afirma.

Saúde mental

Outra questão levada à Sesp após a entrevista tem relação com a saúde mental dos policiais. Segundo a pasta, um programa está sendo desenvolvido para a área, com a contratação de 85 profissionais, entre médicos psiquiatras e/ou especialistas, psicólogos e assistentes sociais, os quais atenderão não somente os profissionais da Segurança Pública, como também os seus dependentes.

A abertura do processo seletivo simplificado (PSS) visa contratar profissionais da área. São 85 vagas para profissionais com ensino superior: 57 psicólogos, 15 médicos psiquiatras ou especialistas em saúde mental e 13 assistentes sociais.