O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, analisou em entrevista concedida à Banda B o pedido da Associação Comercial do Paraná (ACP) para reabertura dos shoppings. Ao radialista Geovane Barreiro, na tarde desta quinta-feira (21), ele afirmou que a pasta tem analisado todos os pedidos de retomada de serviços não essenciais, mas admitiu que o momento é “muito difícil”.

Beto Preto concedeu entrevista à Banda B (Foto: AEN)

“Estamos trabalhando nisso há muito tempo e temos a obrigação de analisar tudo que chega até a gente. Estamos analisando também outras demandas, como é o caso dos treinos de times de futebol, o trabalho em frigoríficos e a retomada de igrejas. Tudo o que pudermos agilizar a liberação, com devidas restrições, vamos fazer para possibilitar a retomada de um pouco do cotidiano normal. É um momento muito difícil para fazer isso agora, porque estamos vendo o aumento do número de casos, mas de maneira restrita é possível voltar a trabalhar pelo menos em uma margem pequena”, disse.

De acordo com boletim divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde, o Paraná registrou 194 novos casos da Covid-19 em 24 horas. É o terceiro dia seguido que o alto número chama a atenção do Governo do Paraná. Na terça-feira (19) foram 120 novos casos. Já na quarta, 136.

Beto Preto, porém, acredita que é possível retomada de trabalho pelo menos em uma margem pequena. “O que não pode haver é aglomeração de pessoas, o que não pode haver é a falta de respeito com higiene. Se for possível, vamos opinar pela reabertura, mas eu insisto, se houver aumento abrupto do número de pessoas infectadas, podemos voltar atrás em algum momento”, disse.

Inverno

Beto Preto disse ainda acreditar que o Paraná deve ter um aumento expressivo do número de casos no mês de junho. “Nós não tivemos ainda um grande número de casos por causa da estiagem. Quando vier a queda de temperatura, junto com aumento de chuva e umidade, vamos ter mais casos no final deste mês, que devem repercutir até o fim do mês de junho”, explicou.

Cloroquina

A mudança do protocolo do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina pelo Governo Federal também foi tema da entrevista. De acordo com Beto Preto, o Paraná deve manter a mesma orientação que já vinha sendo tomada até aqui. “Nós seguimos o parecer do Conselho Federal de Medicina, que orienta que em existindo a indicação por algum médico, o paciente será informado dos riscos e irá assinar um termo de responsabilidade. Assinando esse termo, o paciente passa a saber o que está acontecendo. O governador Ratinho Junior determinou que não podemos deixar faltar e não vamos deixar faltar. Quem tiver a indicação, vai receber o medicamento, mas isso não quer dizer que estamos de acordo com a questão científica do processo, uma vez que ainda não existe tratamento eficaz para a Covid-19.

O Ministério da Saúde incluiu na quarta-feira (20) a cloroquina e a hidroxicloroquina no protocolo de tratamento para pacientes com sintomas leves de Covid-19. De acordo com o documento da pasta, cabe ao médico a decisão sobre prescrever ou não a substância, sendo necessária também a vontade declarada do paciente, com a assinatura do Termo de Ciência e Consentimento.

Isolamento Social

Diante do aumento de casos, o secretário ainda voltou a reforçar a necessidade do isolamento social. “Nós vamos colher tudo isso [aumento do número de pessoas nas ruas] lá na frente e vamos ter corrida aos hospitais. Ainda temos leitos de hospital, enfermarias, UTIs contratadas, mas se não houver cuidado grande, isolamento social mantido, vamos ter um aumento muito grande de casos

e isso é o que eu tenho trabalhado, para levar informação a todos os paranaenses”, concluiu.