Os reservatórios de água de Curitiba e região metropolitana chegaram aos menores níveis da história, de acordo com a Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná), depois do acumulado de água chegar em 26,92% nesta segunda-feira (19). Com isso, não se pode descartar um rodízio ainda mais severo de água, com dois dias sem abastecimento e apenas um com.

(Foto: AEN)

 

O abastecimento mais rígido está previsto para acontecer quando o acumulado de água chegar a 25%. O diretor de Comunicação e Marketing da Sanepar, Hudson José, afirmou que não gosta de trabalhar com cenário negativo, mas que a situação é preocupante. “Hoje mesmo com as chuvas que aconteceram nos últimos dias não passamos de 26,92% no reservatório, que é o menor índice de nossa história. Estamos próximos de 25% que é nosso limite para um sistema mais duro de rodízio”, descreveu à Banda B.

O diretor da Sanepar afirmou que a Sanepar tem trabalhado para melhorar o abastecimento e que é preciso apoio da população. “Temos feito um trabalho para transferir para o mais longe possível essa medida, com ações para aprimorar o abastecimento e também contando com o apoio da população. As pessoas devem captar água para regar jardins, diminuir o banho e ter isso como uma medida permanente, porque as previsões apontam para um cenário de seca até o verão de 2020/2021”, apontou.

Por fim, ele esclareceu que apenas quatro meses de chuvas ininterruptas fariam com que a situação do abastecimento melhorasse. “Essa é uma possibilidade muito distante, já que a previsão é das médias dos últimos cinco anos voltarem apenas em março”, concluiu.