A rede pública municipal de ensino já recebeu, desde o início da pandemia, em março, 1,1 mil transferências de estudantes da rede privada. O atendimento da Prefeitura de Curitiba é universal a partir dos 4 anos, ou seja, todos que demandam vaga em escolas ou Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) são atendidos.

“As unidades do município estão preparadas para receber crianças e estudantes da rede privada”, informa a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila. Mesmo com esses novos pedidos de matrícula, a rede ainda tem cerca de 11 mil vagas que podem ser preenchidas.

Foto: Divulgação

Como fazer?

As famílias que quiserem migrar para escolas municipais devem procurar os Núcleos Regionais da Educação, nas Ruas da Cidadania.

A rede atende Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA) fase I. Os interessados devem – com o uso de máscara – procurar o Núcleo Regional Municipal da Educação de seu bairro com os seguintes documentos:

– Certidão de Nascimento da criança (original e cópia)
– Declaração de transferência ou histórico da escola de origem
– Cópia de RG e CPF dos pais ou responsáveis
– Se a criança tiver cadastro no Programa Bolsa Família do governo federal, deverá informar o código do NIS (Número de Identificação Social)
– Para comprovante de endereço deverá apresentar o talão de conta da Copel recente
– Declaração de vacina da criança (que pode ser retirada em qualquer posto de saúde)

Cada um dos dez Núcleos Regionais irá direcionar o estudante para a unidade onde há vaga.

Videoaulas

Crianças e estudantes que estão migrando precisam acompanhar as videoaulas e desenvolver as atividades pedagógicas propostas neste período pela rede pública, para que possam acompanhar os conteúdos no momento do retorno das aulas presenciais, ainda a ser definido pela Prefeitura de Curitiba.

Por enquanto, o decreto número 779 fixa a suspensão das aulas presenciais até o dia 2 de agosto.

A superintendente de Gestão Educacional, Andressa Pereira, explica que os estudantes já matriculados ao longo deste período de isolamento precisam assistir às videoaulas e fazer as atividades propostas pelos professores.

“No retorno, quando isso for possível, os professores responsáveis pelas turmas farão uma avaliação do aproveitamento dos estudantes, não como prova, mas sim como maneira de alinhar o desenvolvimento das atividades futuras. Isso vale para os estudantes que já eram da rede como para os novos”, explica Andressa.

Além das videoaulas, crianças e estudantes da rede municipal recebem atividades complementares elaboradas pelos professores das unidades onde estão matriculados. A cada 15 dias, as famílias retiram o material diretamente nas unidades, com o uso de máscara e sem aglomerações.

Os estudantes podem assistir às videoaulas produzidas pela equipe da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, além de receberem as atividades complementares produzidas pelas equipes das escolas.

A transmissão é pela TV aberta (canal 9.2 UHF da TV Paraná Turismo e 4.2 Rede Massa em Curitiba) e no YouTube, pelo canal TV Escola Curitiba.

Desde a estreia, em 13 de abril, já são mais de 10,6 milhões de visualizações e 84 mil inscritos no canal.