O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta elogiou, nesta segunda-feira (20), o sistema público de Curitiba ao comentar as ações de enfrentamento ao novo coronavírus. Em entrevista concedida à Rádio Difusora Pantanal, ele afirmou que a capital paranaense tem o “melhor sistema de saúde do Brasil”.

Foto: Agência Brasil

Para destacar os números, Mandetta citou a mortalidade infantil em Curitiba. Em 2019, a capital paranaense registrou a menor taxa de mortalidade infantil de toda a sua história: 6,5 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos. “Quando eu fui secretário da Saúde, Campo Grande foi eleita a cidade com menor mortalidade infantil do Brasil e a nossa briga era com Florianópolis. Curitiba era a 6ª, 7ª. Mas, no ano passado, teve a menor mortalidade infantil entre as capitais, batendo com Suécia e aquela turma nórdica”, disse.

Mandetta destacou ainda a organização e a informatização do SUS de Curitiba para os resultados. “É um sistema muito organizado, com um sistema de informática muito bem feito. [Curitiba] Abriu os leitos e, se você está muito organizado, consegue andar. Aí você vai medindo, se há um aumento muito grande aqui, fecho uma área e abro outra. Muita gente não tem esse ajuste fino, daí não consegue. Quem me dera se todos fossem Curitiba”, concluiu.

Covid-19 em Curitiba

Até segunda-feira (20), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) havia confirmado 10 mortes e 426 casos do novo coronavírus. Há ainda outras 103 pessoas com suspeita da infecção.

Desde o primeiro caso confirmado na cidade, 128 pessoas precisaram de internamento devido a complicações causadas pela infecção pelo novo coronavírus – 59 continuam hospitalizados, 29 em estado grave.

Em Curitiba, a média de idade das pessoas confirmadas com covid-19 atualmente é de 43,5 anos (variando de 1 a 96 anos). Já a média de idade dos pacientes internados é de 59 anos.