Dar às micro e pequenas empresas de Curitiba a possibilidade de contar com a prefeitura como sua fiadora em contratos com bancos públicos e privados, garantindo acesso a linhas de crédito para que superem a crise econômica provocada pela pandemia. É o que sugere o vereador Mauro Bobato (Pode) em projeto de lei protocolado na Câmara Municipal de Curitiba (CMC).

“As empresas de menor porte têm enfrentado diversas barreiras na obtenção de recursos, tanto das instituições financeiras públicas quanto das privadas. As dificuldades em obtenção de crédito decorrem basicamente de dois nós estruturais: o alto custo financeiro e as fortes restrições de acesso ao crédito, na grande maioria por falta de um fiador”, justifica Bobato.

(Fernando Frazão/Agência Brasil)

O vereador deixa a regulamentação para o Executivo, prevendo que a prefeitura teria voz para discutir os termos do contrato.

Para o parlamentar, “os bancos alegam ter aumentado a oferta de crédito, porém o volume ainda não acompanha a demanda”. “Não falta dinheiro, mas sobra burocracia. Conforme os números da Febraban [Federação Brasileira de Bancos], as contratações de operações de crédito somaram R$ 378 bilhões até o último dia 8 de maio. Desse total, menos de 10%, R$ 31,3 bilhões, chegaram aos micro e pequenos negócios”, alerta ele.

Citando números apurados pelo Sebrae, o vereador argumenta que a taxa de sucesso dos empresários de pequeno porte, nessas operações de crédito, é de apenas 9% nos bancos públicos, 12% nos privados e de 31% nas cooperativas de crédito. “O projeto quer aumentar o acesso ao crédito, autorizando que o Poder Executivo atue como fiador em contratos, desde que comprovada a capacidade da empresa em cumprir os critérios estabelecidos”, conclui.