Térreo do Palácio Iguaçu foi ocupado por servidores da Educação – Foto: Banda B

 

O protesto que começou do lado de fora do Palácio Iguaçu na manhã desta segunda-feira (18) e acabou dentro do térreo do Palácio Iguaçu, em Curitiba, chegou ao fim durante a tarde. Cerca de 200 professores e funcionários da rede estadual de ensino se manifestaram contra a redução dos salários do Processo de Seleção Simplificado (PSS) anunciada pelo governo para 2018.

Diante do protesto, a administração marcou para as 17h desta terça (19) uma reunião com representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), para “reabrir o diálogo com os professores”.

Segundo o sindicato, os vencimentos de R$ 3.281 (R$ 2.445 de salário e R$ 826 de auxílio-transporte), apresentam redução de 13% a cada hora trabalhada em relação às últimas contratações. O governo pretende contratar cerca de 10 mil professores, pedagogos e tradutores e intérpretes de libras através do  no ano que vem por meio do PSS.

A invasão aconteceu perto do meio-dia. Os seguranças não conseguiram conter a entrada da massa de manifestantes, fechando as portas de acesso ao prédio. O Cel. Elio, da PM, é quem comanda as negociações para a saída do prédio. Por volta das 12h40, a APP-Sindicato informou na rede social Facebook que o Batalhão de Choque da Polícia Militar chegou ao local.

“Queremos uma audiência com o governo e vamos sair só quando formos atendidos”, disse à Banda B Tereza Lemos, secretária de organização da APP, durante o protesto.

Em nota, a SEED informou que os funcionários contratados ao longo de 2018 através do PSS receberão vencimento mensal de R$ 3.281 e que o valor está acima do piso nacional para o magistério.

“O valor corresponde a 40 horas semanais, sendo 37% do total fora da sala de aula, em hora atividade (reservada para correção de provas e trabalhos, preparação de aulas etc)”, diz um trecho da nota.

Já a APP-Sindicato, diz que a redução equivale a R$188,10 a cada 20 horas de trabalho.

Assista ao momento da invasão:

Posted by APP-Sindicato on Monday, December 18, 2017