Apontada por internautas como uma possível estratégia para se manter aberta com o novo decreto estadual que determinou o fechamento do comércio, a Lojas Havan está vendendo produtos essenciais como o arroz em Curitiba e região metropolitana. Também chama a atenção o valor de um pacote de cinco quilos, que foi encontrado em uma loja da rede em Colombo ao preço de R$ 22, quando em mercados a média é de R$ 14.

Foto: Elizandro Freitas/Plural

 

Um levantamento do Portal Plural aponta que as lojas Havan em Curitiba e região estão abertas. A empresa alega que não há irregularidades, já que o cadastro contempla a venda de alimentos. Com relação aos preços abusivos, a diretora do Procon-PR, Cláudia Silvano, afirmou que isso está sendo investigado.

“Identificamos isso há alguns dias atrás e estamos investigando. A empresa já foi notificada e vai ter que apresentar justificativa, do preço que comprou e por quanto vendeu, porque o preço está mais alto que o do mercado. A dica é o consumidor não comprar estes produtos com valores abusivos. Se isso for constatado, a empresta está sujeita a multas que variam de R$ 600 a R$ 8 milhões”, descreveu Silvano à Banda B.

Fiscalização

Sobre o funcionamento do empreendimento durante o decreto estadual, essa fiscalização não cabe ao Procon. Sobre essa demanda, a Banda B procurou a assessoria do Governo do Paraná.

Em nota a assessoria informou que a fiscalização do comércio é atividade direta do município, que concede os alvarás de funcionamentos. Porém, no entendimento do decreto estadual, esta atividade não se trata de serviço essencial. Quem encontrar irregularidades pode denúncias no 0800 644 4414 ou no 190

A Banda B entrou em contato com a Havan que preferiu não se manifestar.