O Procon do Paraná realizou neste domingo (29), uma fiscalização em mercados de Curitiba, com o objetivo de inspecionar a venda de produtos que estariam com preços abusivos. O aumento dos preços, segundo os mercados, se deve a queda do estoque durante o período de pandemia. No entanto, os preços do leite e do gás de cozinha tem liderado as denúncias de consumidores junto a entidade.

Segundo a chefe do Procon do Paraná, Claudia Silvano, após a ação realizada, a informação repassada ao órgão, relacionadas a estes possíveis aumentos, não foi confirmada. No entanto, Claudia explicou que esta verificação só pode ser confirmada após o Procon notificar os estabelecimentos sobre a situação.

“Todos os produtos estavam precificados. Inclusive, estes preços eram iguais ao dia anterior. No entanto, após a notificação, os supermercados devem apresentar as notas fiscais de compra dos produtos e a nota fiscal de venda. Neste momento, nós identificamos dois períodos distintos que é o atual e os valores aplicados há um mês. Somente assim, saberemos se realmente houve aumento”, pontuou.

 

Divulgação

 

Para evitar este tipo de situação, Claudia insiste que as pessoas não estoquem botijões de gás, entre outros produtos. Ela relembrou a ação da última semana, em que foi assinado um termo de cooperação entre a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho e a Associação Paranaense de Supermercados (Apras), que limita a venda a 12 unidades de leite longa-vida, 2 fardos de papel higiênico e 5 litros de álcool líquido 70% por cliente. A ação foi tomada justamente para evitar situações de desigualdade entre os consumidores na hora das compras.

“Uma pessoa sai com três botijões de gás e deixa os outros consumidores sem poder comprar. Isto é um problema, por que falta para as outras pessoas. Quando nós temos a redução do estoque, os preços começam a subir. Nós não podemos estocar qualquer item. Este tipo de conduta, comportamento, é ruim para todos os consumidores”, finalizou.

Para denunciar práticas abusivas de vendas, a população pode denunciar através dos canais de atendimento como o site do Procon/PR e o serviço público Monitorada pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) que permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos de consumo pela internet. Para acessar, clique aqui.