O vereador Sabino Picolo (DEM), presidente da Câmara Municipal de Curitiba, encaminhou ao prefeito de Curitiba, Rafael Greca, um pedido para que a prefeitura mude o decreto de quarentena restritiva. Ele quer que seja permitido comerciantes com estabelecimentos em shopping centers e galerias comerciais, bem como os que tem lojas nas ruas, possam atender por meio de entrega de produtos em domicílio (delivery), retirada expressa sem desembarque (drive-thru) ou retirada em balcão (take away).

(Foto: Divulgação)

 

Segundo o vereador, o pedido vale inclusive para aqueles que não tem alvará para esse tipo de funcionamento. “As pessoas não tem no alvará a permissão de delivery, então tomei a inicativa de encaminhar uma sugestão ao prefeito para que se tenha um decreto liberando estas empresas para trabalharem assim. Centenas de negócios podem ser fechados sem isso”, disse o vereador em entrevista à Banda B na tarde desta sexta-feira (10).

Questionado se isso não aumentaria o número de usuários do transporte coletivo, como as lojas estariam fechadas o vereador acredita que não. “As entregas elas são feitas de motocicletas ou quando vão no drive vão de carro. Então vejo que não haverá um acréscimo no ônibus, porque é outro tipo de mobilidade”, ponderou.

Desabafo ACP

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Camilo Turmina, afirmou que a queda de apenas 10% no número de passageiros do transporte coletivo apontam uma possível ineficácia da medida. Turmina alegou que grandes lojas estão conseguindo abrir e que, com isso, os pequenos comércios vão ficar com todas as consequências econômicas da pandemia.

“Com os ônibus com essa liberalidade toda, vai continuar infectando. Assim vai ficar fechado para sempre o comércio, no abre e fecha, com o pequeno empresário sendo quebrado. Vamos acabar com empregos e pequenos empreendedores e sem se ter uma verdadeira solução”, reclamou o presidente da ACP em entrevista à Banda B na manhã desta sexta-feira (10).