Pensar em uma região metropolitana mais justa, com uma união em que os municípios ricos ajudam os mais pobres e, consequentemente, se ajudam também. Este foi o principal tema de debate da última reunião do ano organizada pela Assomec (Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba), que aconteceu nesta terça-feira (10), no bairro Santa Felicidade, em Curitiba.

Reunião da Assomec aconteceu nesta terça-feira em Curitiba (Foto: Divulgação)

 

Segundo o presidente da Assomec, o prefeito de Fazenda Rio Grande, Marcio Wozniack esta mesa da reunião foi a mais importante da história no que diz respeito ao futuro dos municípios metropolitanos, devido à presença de entidades como o Governo Estadual, Comec (Coordenação dos Municípios Metropolitanos), Pró-Metropole (ligado à Prefeitura de Curitiba) e demais prefeitos da região metropolitana.

“As dificuldades são comuns, mas há municípios mais ricos e outro menos. Como fazer essa gestão e compartilhar os pontos positivos? Porque o problema também vai para a cidade vizinha. Então, esta união da Pró-Metropole, integrada na Assomec e com o apoio do governo, faz com que estes mais de 50 pensadores sentem e conversem na mesma língua. E isso aconteceu hoje”, destacou Wosniack

O presidente do Pró-Metropole, Hélio Bampi, que engloba cidades da RMC e a capital, citou Cerro Azul como exemplo da importância de se trabalhar unido. “Cerro Azul, por exemplo, é um caso de sucesso. Antes, a ponkan era vendida a menos de R$ 10. Agora, colocada dentro da merenda escolar na região, o agricultor consegue até R$ 70 por caixa. Ele começou a dar falta de mudas para a ponkan e assim vai. Uma cadeia em que uma puxa a outra”, explicou.

Vice-governador Darcia Piana (à esquerda) recebe homenagem do presidente da Assomec, Márcio Wosniack

Homenagem

Representando o governo do Paraná, o vice-governador Darci Piana esteve no evento e foi homenageado pelo trabalho feito junto à região metropolitana de Curitiba. “A área metropolitana representa muita gente e tem a necessidade de muito investimento. Não será esquecida jamais e vamos procurar fazer um trabalho para que todos sejam merecedores destes investimentos”, disse.

Acolhimento

Durante a reunião, foi destacado um projeto de acolhimento social pelo Consórcio Metropolitano de Saúde que está pronto para ser colocado em ação, descreveu a prefeita de Colombo Beti Pavin.. “Pensamos em potencializar isso para buscar parcerias e que assim possamos atender a demanda da nossa sociedade. A assistência social vem para nós e precisamos da ajuda dos Governos Estadual e Federal, porque os custos são altos. Na prática, funciona assim: quando compramos em volume, conseguimos diminuir o custo. Isso aconteceria com casas de acolhimentos e assim vai”, explicou Pavin, que também é a presidente do Consórcio Metropolitano de Saúde.

O evento contou com a participação de centenas de pessoas, pensando no crescimento da região metropolitana.