Com índices considerados positivos na transmissão do novo coronavírus, a Prefeitura de Curitiba decidiu autorizar a reabertura de cinemas, teatros, museus, eventos com até 50 pessoas e a volta do funcionamento de buffets no sistema self-service. A informação foi confirmada pela secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, em live transmitida pelas redes sociais nesta sexta-feira (9).

De acordo com Huçulak, o monitoramento dos casos dá segurança para a tomada de decisões. “Nós acompanhamos mais de 100 mil pessoas entre esses 46.775 casos confirmados da infecção, além de seus contatos. Diferentemente do mês de março, nós temos um monitoramento e isso nos dá segurança para tomar essa decisão”, disse.

Foto: Arquivo

A avaliação semanal dos nove indicadores que medem a capacidade de resposta do sistema de saúde para o enfrentamento do novo coronavírus apontou para a situação de alerta, ou seja, a cidade permanece na bandeira amarela. A pontuação final foi 1,73, a menor desde que o sistema foi implantado, em junho.

O decreto autoriza ainda a reabertura de estabelecimentos destinados a casas de festas com serviços de buffets, além de estabelecimentos destinados a feiras técnicas ou de varejo, mostras comerciais, congressos, convenções, entre outros eventos de interesse profissional, técnico e/ou científico.

Segundo o decreto, restaurantes e lanchonetes passam a ter o horário ampliado, das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (self-service).

As novas regras passam a valer a partir deste sábado (10/10) e tem validade de 14 dias.

Cinema e self-service

Huçulak explicou que os restaurantes deverão disponibilizar uma pia para os clientes lavarem as mãos e se servirem no buffet. O uso de luvas descartáveis também será recomendado para este tipo de serviço. “Se não puder ter a pia, e vai ter que ter alguém supervisionando isso,
quem vai ser servir terá que ter à disposição álcool em gel. Vamos recomendar a disponibilidade de luva descartável para o momento das pessoas se servirem e uma lixeira no final para jogar essa luva fora”, disse a secretária.

O uso de máscara será obrigatório durante o momento em que os clientes estiverem se servindo no buffet, além de manter as distâncias recomendadas entre cada pessoa.

Já no cinema, a secretária esclareceu que será proibido consumir qualquer alimento ou bebida no local. “Não vai poder comer pipoca dentro do cinema. Pode comer antes, depois, mas dentro do cinema ninguém vai poder tirar a máscara ainda por ser um ambiente fechado”, destacou.

Só poderão sentar lado a lado pessoas de um mesmo círculo de convívio. “Você vai poder sentar lado a lado com pessoas do mesmo convívio, marido e mulher, pai e filho, por exemplo”, concluiu Huçulak.

Em queda

A liberação foi possível graças ao comportamento da pandemia do novo coronavírus em Curitiba. Os casos confirmados da doença e o número de óbitos estão caindo.

Do início de setembro até agora, estão sendo registradas, em média, 50 mortes por semana. Nos meses de julho e agosto, eram em média 100 óbitos por semana. Os casos confirmados do novo coronavírus caíram 49% entre o início de agosto e o final de setembro.

Estes dois são os indicadores de maior peso no cálculo da bandeira, entre os seis que compõem o grupo que mede o nível de propagação da doença. Também são avaliados, para definição da bandeira, outros três indicadores dentro do grupo que analisa a capacidade de atendimento da rede. Um deles é a taxa de ocupação dos leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19, que chegou, nesta sexta-feira (9/10), a 66%, mesmo percentual do dia anterior.

Essa redução tem sido tão expressiva que já vem sendo possível desativar os leitos exclusivos, o que irá permitir o retorno de outros tipos de procedimentos, como as cirurgias eletivas. Dos 355 leitos SUS de UTI exclusivos para covid-19 que foram criados desde o início da pandemia, 36 já puderam ser desativados. Nesta sexta, foram cinco no Hospital do Trabalhador e outros cinco no Hospital Erasto Gaertner.

O que muda

Veja abaixo as novas regras que estarão em vigor a partir deste sábado. O não cumprimento pode acarretar sanções administrativas e multas que variam de R$ 232,92 a R$ 8.336,08.

Atividades com capacidade máxima de até 50 pessoas
– Estabelecimentos destinados ao entretenimento em espaços fechados, tais como circos, teatros, cinemas e museus. Sem consumo de produtos alimentícios e de bebidas pela plateia.
– Estabelecimentos destinados a casas de festas com serviços de buffets; podendo funcionar inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (self-service). Das 6h às 23h e só podem ser usados equipamentos e brinquedos de uso individual.
– Estabelecimentos destinados a feiras técnicas ou de varejo, mostras comerciais, congressos, convenções, entre outros eventos de interesse profissional, técnico e/ou científico.
– Os estabelecimentos que prestam esses serviços e atividades deverão definir fluxos diferenciados de entrada e saída do público, podendo funcionar em todos os dias da semana, sendo permitida a disponibilização de música ao vivo, ficando proibido o funcionamento de pista de dança.

Funcionamento com restrições
– Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias e centros comerciais podem abrir todos os dias, das 10h às 20 horas.
– Shopping centers podem abrir todos os dias, das 11h às 22 horas.
– Restaurantes e lanchonetes podem abrir todos os dias, das 6h às 23 horas, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (self-service). Está permitida música ao vivo, mas sem pista de dança.
– Bares podem abrir todos os dias da semana, das 6h às 23h. Está permitida música ao vivo, mas sem pista de dança.
– Parques infantis e temáticos podem abrir todos os dias da semana. Está permitida apenas a utilização de equipamentos e brinquedos de uso individual. Está permitida música ao vivo, mas sem pista de dança.

Devem operar com no máximo de 50% de sua capacidade
– Hotéis, resorts, pousadas e hostels;
– Call center e telemarketing: a partir das 9h (exceto os vinculados a serviços de saúde ou home-office, que podem funcionar com capacidade normal).