O prefeito reeleito de Campo Largo, Marcelo Puppi (DEM), passou por uma cirurgia na madrugada desta quinta-feira (7), horas antes de falecer por complicações da covid-19. A informação foi dada à Banda B pelo filho do prefeito, Christiano Puppi. “Em um último procedimento foi tentada uma cirurgia, por meio de uma máquina de circulação sanguínea para corrigir a questão da saturação dele que tinha baixado muito nos últimos dias. Mas, pelo visto, a hemorragia que aconteceu e as complicações foram fatais. Essa hemorragia levou a um prejuízo respiratório e em mais órgãos, também”, lamentou Christiano.

 

Foto: Marcelo Puppi, prefeito reeleito de Campo Largo. Divulgação

 

Para a Banda B, o filho de Marcelo Puppi lamentou a morte do pai, confirmada na madrugada de hoje pelo Hospital Nossa Senhora do Rocio, onde estava internado desde novembro. “Meu pai teve o diagnóstico de covid logo após a eleição e a partir desse momento travou uma batalha muito difícil, muito árdua. Precisou de hospitalização, ficou quase 40 dias em UTI, foi entubado, apresentou uma melhora significativa nos últimos dias. Ele conseguiu tomar posse, voltou a ter uma lucidez, aos sentidos, até a uma capacidade respiratória boa, novamente. Mas, infelizmente, na segunda-feira ele apresentou uma hemorragia severa, uma situação de choque, e isso fez com todos os indicativos vitais piorassem, onde ele precisou voltar para o coma e acabou não resistindo”, disse ele.

Internado desde o fim de novembro, Puppi teve quadros de melhora significativa e chegou a apresentar bons sinais de recuperação. Christiano disse à Banda B que o pai tinha um enorme desejo de viver. “O desejo que ele tinha de viver mexeu com todos os médicos, foram seis horas de centro cirúrgico, com atividades intactas, mas ele não resistiu a essa doença. Tentamos todos os tipos de tratamento, mas não conseguimos. É um dia muito triste, um dia que Campo Largo chora a perda de seu prefeito. Primeiro um cidadão campolarguense, depois vereador, presidente da Câmara, prefeito e então prefeito reeleito. É muito triste, muito”, disse ele, bastante emocionado.

Medo

Marcelo Puppi relatava aos familiares o medo que tinha da contaminação do vírus. Por esse motivo, a campanha de reeleição teve comícios virtuais, motivando a equipe a trabalhar sem aglomerações e encontros. “Ele tinha muito medo desse vírus, fizemos uma eleição praticamente de dentro de casa, ele se cuidava demais. Ele tinha uma preocupação muito grande com relação a covid-19, e não apenas por ele, mas com os eleitores, o receio que ele tinha em colocar a vida de outros em risco. Por isso, os comícios virtuais foram feitos e deram muito certo. Reuniões presenciais quase nenhuma”, disse o filho à Banda B.

Christiano acredita que a contaminação do pai aconteceu no dia da eleição ou em dias próximos, devido ao início dos sintomas. “Isso é fato, o período eleitoral fez com que muitas pessoas se aglomerassem, se infectassem. Isso disseminou em um contágio amplo. Possivelmente, a contaminação dele aconteceu no dia da eleição, ou um dia depois. O diagnóstico dele foi dia 20 de novembro, quando ele sentiu os primeiros sintomas. De lá, passou a ser tratado por uma equipe de excelência no Rocio”, finalizou.

Despedida

O velório de Marcelo Puppi está marcado para essa quinta-feira (7), das 13h às 17h na Câmara Municipal de Campo Largo.

Biografia

Marcelo Puppi nasceu em Campo Largo (PR) no dia 2 de julho de 1959, filho de Roseli e Newton Puppi. É casado com Daniela e pai de Christiano, Newton Neto e João Pedro.

Cursou Direito na Universidade Federal do Paraná e fez uma extensão universitária em Brasília. Foi emancipado aos 16 anos e, junto com Osvaldo Zotto, comprou uma gráfica, dando vida ao primeiro jornal composto e impresso de Campo Largo. Ainda muito jovem se apaixonou por ciências políticas e encontrou nela o caminho que viria a trilhar.

No ano de 1982, foi trabalhar na Assembleia Legislativa do Paraná, em um cargo simples. Treze anos mais tarde, deixou a assembleia como chefe de gabinete da Primeira Secretaria para se tornar subchefe da Casa Civil do governo do Paraná, cargo que ocupou até 1998, quando se tornou assessor especial do governo.

Foi eleito vereador da cidade no ano de 2004 e presidiu a Câmara Municipal. Puppi foi eleito prefeito de Campo Largo pela primeira vez em 2016 e reeleito em 2020.