(Imagem ilustrativa/Pixabay)

 

Quem costuma fazer as compras da casa já deve ter percebido o aumento do preço do litro de leite nos supermercados da Grande Curitiba. Em média, o valor da caixa da bebida do tipo longa vida ficou 21,75% mais caro em junho, segundo levantamento do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No ano, o aumento é ainda mais significativo: 38,55%.

A moradora do bairro Santa Felicidade, em Curitiba, Márcia Damares, notou o efeito que a alta da mercadoria provoca no orçamento familiar. “O alto valor do leite impacta as compras no geral, porque, além dele, todos os produtos derivados também acabam ficando mais caros. Aí no fim do mês, a coisa complica”, disse ela em entrevista à Banda B nesta terça-feira (17).

Segundo o produtor e presidente da Comissão de Bovinocultura de Leite da Federação de Agricultura do Paraná (Faep), Ronei Volpi, o aumento no preço da bebida tem diferentes causas, agravadas pela greve dos caminhoneiros, que parou o Brasil por dez dias a partir de 21 de maio.

“Em primeiro lugar, nós passamos nesse ano por dois períodos de seca, um em abril e maio, e o outro agora. Por isso, tivemos dificuldade na produção de pastagem para o rebanho. Isso sem contar que estamos no inverno, em período de entressafra, quando há menor produção, mas maior consumo de leite pela população”, explicou.

O segundo fator foi a alta do preço da soja e do milho que, como consequência, tornou mais cara a ração para os animais. “O preço desses alimentos dobrou em relação ao ano passado. Isso fez com que, a nível do produtor, o custo da bebida tenha aumentado em torno de 25% e, por consequência, esse valor é repassado para a indústria, o varejo e o consumidor”, completou o presidente.

De acordo com ele, a situação ficou ainda mais grave, no entanto, com a paralisação dos caminhoneiros. “Por um lado, a greve fez com que nós jogássemos fora milhões de litros de leite, em um período de dificuldade de produção. Por outro lado, houve, na ocasião, uma corrida aos supermercados para comprar mercadorias e estocá-las em casa. Os consumidores limparam as prateleiras, e aí entrou a lei da oferta e procura”, completou.

Tendência para os próximos meses

Apesar do cenário pessimista, Volpi acredita que a tendência é que a alta seja estabilizada nos próximos 60 dias. “Conforme a saída do inverno e a entrada da primavera, a produção de leite já aumenta e, assim, as coisas devem começar a se normalizar”, concluiu.

Em pesquisa realizada nesta terça-feira pelo Disque Economia, da prefeitura de Curitiba, em seis redes de supermercado, a caixa de leite longa vida integral foi encontrada à venda pelo valor de R$ 3,38 (o mais barato) a R$ 3,65 (o mais caro). Para usar a ferramenta de pesquisa, clique aqui.