A Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (Deam) não descarta que a explosão que deixou uma mulher de 53 anos ferida no Jardim Botânico, em Curitiba, seja uma brincadeira de ‘mau gosto’.  A vítima, que perdeu dois dedos e sofreu outros ferimentos, prestou depoimento à polícia nesta segunda-feira (9).

Reprodução

O delegado André Feltes comentou que as investigações estão em fase preliminar e que a polícia primeiro quer descobrir o material utilizado para a explosão e o que provocou o acionamento do artefato. “Realizamos a coleta dos vestígios e estamos tentando identificar o que foi usado. Procuramos outros artefatos pelo parque, mas não encontramos”, descreveu.

A vítima prestou depoimento nesta segunda e voltou a reafirmar que uma “carteira explosiva” provocou o incidente. “Ela contou que estava passando pelo parque e observou as notas para fora. Assim que se abaixou para pegar, ouviu o estampido e percebeu que estava ferida. No depoimento, porém, não soube precisar dados ou algo que fugisse da normalidade”, explicou o delegado.

O incidente aconteceu no começo da noite da última sexta-feira (6). Equipes do Esquadrão Antibombas do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Científica chegaram a isolar a área.

No hospital, a vítima fez uma cirurgia para tentar reconstruir os dedos danificados pela explosão.

Linhas de investigação

Segundo Feltes, ainda não se sabe o que provocou o incidente, mas a polícia não descarta uma brincadeira de ‘mau gosto’. “Ainda não sabemos se foi isso ou um ato deliberado para machucar”, concluiu o delegado.

A Deam segue investigando o caso.