A Polícia Militar prendeu em flagrante, nesta quinta-feira (12), uma pessoa com sacos cheios de panfletos apócrifos contra o prefeito Rafael Greca, candidato à reeleição. O material estava sendo distribuído na Central de Abastecimento, a Ceasa, no bairro Tatuquara, e em outros pontos de Curitiba.

A pessoa detida foi encaminhada para a Polícia Federal que, de acordo com informações da assessoria do prefeito, abriu inquérito para investigar o caso.

Foto: Divulgação Câmara de Curitiba

Ainda de acordo com a assessoria de Greca, um segundo inquérito foi instaurado pela PF por conta de outro caso de distribuição de panfletos irregulares contra o candidato à reeleição nesta quinta. Neste outro caso, duas pessoas teriam sido levadas para prestar depoimento à PF e declarado que são ligadas ao movimento sindical. Um carro com adesivos do Sismuc (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba), que transportava o material irregular, teria sido apreendido.

“Minha campanha seguirá com a mesma alegria e amor por Curitiba“, disse Greca. Ele reforçou que repudia veementemente atos como esses. “Me entristece ver o nível do meu opositor desesperado. Penso que com isso, não está me difamando, mas sim, nivelando para baixo a inteligência do Curitibano”, acrescentou o prefeito.

Vereador

Em live transmitida na página no Facebook do vereador Rogério Campos (PSD), o parlamentar acusa o Sismuc de distribuir material que denigre a imagem de vários vereadores e afirma que chamou a polícia para impedir a situação. “Eles estão distribuindo panfletos na tentativa de denegrir a minha imagem e de outros vereadores. E fazendo isso três dias antes das eleições, justamente para não dar tempo da gente acionar a Justiça Eleitoral. Então chamei a polícia nessa situação e é mentira que fui preso”, explicou Campos.

A reportagem entrou em contato com a PF para confirmar as informações, mas até o momento não teve retorno. O Sismuc também foi contatado e negou que tenha tido um carro apreendido com material irregular. Leia a nota na íntegra:

“A informação não procede, pois não houve nenhuma apreensão de carro do SISMUC com material irregular.

Houve sim uma ocorrência de constrangimento ilegal por parte do vereador Rogério Campos e de seus cabos-eleitorais, que constrangeram uma trabalhadora que entregava panfletos na região. Os panfletos, produzidos pela Intersindical, instrumento de luta da classe trabalhadora que os sindicatos SISMUC e SISMMAC ajudam a construir em Curitiba, trazem informações sobre os vereadores que votaram contra os trabalhadores no seu mandato no legislativo municipal.

Diante da denúncia da trabalhadora, que teve inclusive seu direito de ir e vir infringido e foi barrada pelos cabos-eleitorais dos vereadores, os dirigentes do SISMUC se dirigiram até o local e tiveram o carro barrado pelos cabos-eleitorais dos vereadores, em mais um ato claro de constrangimento ilegal.

Após o atendimento policial, todos foram encaminhados à Policia Federal, onde foi constatado que não há irregularidade nos panfletos que estavam sendo distribuídos. Inclusive, a deliberação foi falada diretamente para o vereador, que tentou impedir o sindicato e os trabalhadores de exercerem o direito de crítica.

Inclusive, todo o material produzido pela Intersindical sobre os vereadores que votaram contra o projeto da classe trabalhadora foi devolvido pela PF para que a panfletagem possa continua.

A ação do vereador e dos cabos-eleitorais de hoje só mostra que alguns vereadores não querem que a população trabalhadora saiba como eles atuam no seu mandato. Mas, mesmo com as tentativas de censura, SISMUC e SISMMAC mantém o seu trabalho e sua atuação crítica diante daqueles que atacam os direitos dos trabalhadores.”