A Polícia Civil irá indiciar o motorista, condutor do micro-ônibus envolvido em um acidente com um trem, em outubro do ano passado, no bairro Cajuru, em Curitiba, pelo crime de homicídio com dolo eventual. As investigações sobre o caso, que terminou com a morte de uma mulher e deixou outras cinco pessoas feridas, foram concluídas nesta quarta-feira (13).

 

Foto: Banda B

 

A batida aconteceu na noite do dia 20 daquele mês, na rua Thomaz David Borges com a rua Rutildo Pulido. Na época, o micro-ônibus levava funcionários da empresa Volkswagen de volta para casa e seguia sentido BR-277. O veículo foi arrastado pelo trem e destruiu parte de uma casa, na esquina do acidente.

“O laudo pericial destacou que a via estava toda sinalizada e, neste caso em específico, faltou uma cautela maior por parte do condutor do ônibus”, disse o delegado Edgar Dias Santana, da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), à Banda B.

Além dos diversos laudos que foram produzidos durante as investigações, a Polícia Civil também ouviu os passageiros do ônibus e descobriu que o motorista foi alertado sobre os riscos pelo qual se aproximava. “Portanto, entendemos que o condutor do ônibus teve plenas condições de ter visualizado o trem se aproximando; de ter escutado a buzina. Então, chegamos à conclusão que ele estava ciente do risco que a sua conduta poderia causar e mesmo assim resolveu efetuar a travessia pela linha férrea”, comentou Santana.

Na época, o motorista afirmou em depoimento ao próprio delegado Santana que estaria dirigindo por volta dos 10 km/h e que a má iluminação teria contribuído para o acidente. O motorista também afirmou que só ouviu a buzina no momento do impacto. “É importante destacar também que o condutor faz este percurso, pelo menos, duas vezes por dia. Então, ele estava ciente do itinerário, da cautela e precaução que deveria ter no momento do acidente”, destacou o delegado durante a entrevista.

Com o indiciamento pelo crime de homicídio com dolo eventual, a pena do motorista pode chegar a até 20 anos de prisão.