A Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) encerrou, nesta sexta-feira (16), o inquérito que investiga as causas da morte do servente Marcelo da Trindade, de 48 anos. Para a Polícia Civil, está comprovado que Silvio Eduardo de Alencar Santos, de 20 anos, e Ulisses Misima Ribeiro, de 43 anos, disputavam um racha na BR-277, em Curitiba, quando o atropelamento ocorreu. Os dois estão presos preventivamente por envolvimento no crime.

BMW acertou servente que morreu na hora enquanto trabalhava (Foto: Banda B)

De acordo com o delegado Leonardo Carneiro, foram três meses de intensas investigações e a Polícia Civil chegou a conclusão de que o ocorrido não foi um acidente. “Foi um evento criminoso, um racha, que culminou na morte de um trabalhador. A gente optou por indiciar os condutores pelos crimes de homicídio, com dolo eventual”, explicou.

Antes do encerramento do inquérito, a polícia voltou a pedir a prisão preventiva dos dois motoristas, o que foi autorizado pela Justiça. Alencar já estava preso desde o dia 20 de agosto, quando acabou detido em flagrante por manter uma estufa para produção de maconha em Guarapuava, no Centro-Sul do Paraná.

No dia do atropelamento, Alencar dirigia um automóvel BMW. Segundo laudo do Instituto de Criminalística, ele foi flagrado dirigindo a 160 km/h minutos antes de atingir o servente da concessionária CCR Rodonorte. Já o veículo Volvo de Misima estaria com uma velocidade de 179 km/h.

Atropelamento

O atropelamento aconteceu no dia 13 de julho, na BR-277, em Curitiba. A BMW fazia a pista sentido Centro de Curitiba quando o motorista perdeu o controle, capotou e matou Trindade.

A vítima tinha há oito anos superado o alcoolismo e passava por um ótimo momento, segundo familiares. Atualmente, Marcelo trabalhava para a concessionária Rodonorte, que administra o trecho em que o acidente aconteceu.

O servente trabalhava com o filho no momento em que foi atingido.