Pela segunda noite seguida a altura do km-76 da BR-277, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, foi interditada, pela Polícia Rodoviária Federal (PFR) e a Ecovia, concessionária que administra o trecho. A liberação aconteceu por volta das 4h30 desta quarta-feira (5). Entretanto, por volta das 7h houve uma nova interdição, sem previsão de normalização do tráfego. Por volta das 8h30 foi liberado novamente e, segundo a Ecovia, já não havia mais lentidão nos dois sentidos a partir do km 73.

(Foto: Djalma Malaquias – Banda B)

 

O trecho que teve a interdição é o mesmo em que, na noite de domingo (2), um engavetamento com mais de 20 veículos deixou oito pessoas mortas e 22 feridas. Na ocasião, não houve nenhuma preventiva que impedisse o tráfego de veículos na região. Já na madrugada de terça, o mesmo local permaneceu por três horas fechado.

O trecho da BR-277, onde ocorreu um acidente que deixou oito mortos, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, foi interditado pelo segunda vez consecutiva, entre a noite de terça (4) e manhã desta quarta-feira (5) por causa da intensidade de fumaça e neblina que dificultam a visibilidade dos motoristas.

 

A razão do fechamento, de cerca de dois quilômetros, foi a fumaça e a falta da visibilidade também por causa da neblina. Novamente, os motoristas não conseguiam enxergar praticamente nada na pista.

(Foto: PRF)

Ecovia

Na segunda-feira, em entrevista à Banda B, o porta-voz e gerente de atendimento ao Usuário da Ecovia , Marcelo Belão, disse que a visibilidade na BR-277 sofreu uma mudança rápida e drástica na noite de domingo (2), o que impossibilitou a sinalização na rodovia no tempo adequado para evitar o acidente que deixou oito mortos.

“Nossa viatura de inspeção se deparou com a situação da fumaça, e provavelmente o efeito dela prejudicado pelo começo de uma neblina. 22h08 foi o momento em que ela comunicou via rádio da mudança rápida e drástica da visibilidade daquele segmento”, relatou Belão.

“A viatura não pode entrar e intervir diretamente na via e fechar o fluxo de forma desordenada, porque poderia causar um acidente tanto com a própria viatura, como com o próprio operador. Por conta desse trabalho, não houve nenhum acidente no sentido Litoral-Curitiba”, completou o porta-voz.

Investigação

A Delegacia de São José dos Pinhais acredita que uma fatalidade foi a causa do grave acidente. Em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (3), o delegado Fábio Machado disse que ouviu o motorista do caminhão envolvido na tragédia, mas que acredita sim que ele tomou todas as precauções necessárias para evitar a colisão. A visibilidade prejudicada, no entanto, é apontada pela Polícia Civil como causa do acidente. A Ecovia também será ouvida sob uma possível responsabilização.