Cinco meses após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Paraná, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) segue monitorando a taxa de ocupação de leitos nos hospitais do estado. O diretor de gestão em Saúde da Sesa, Vinícius Filipak, disse em entrevista à Banda B nesta sexta-feira (14) que o Paraná tem observado uma melhora nos níveis de ocupação, mas fez um alerta para a alta taxa de letalidade entre os pacientes que são internados, que segue em torno de 20%.

Foto: AEN

“A estrutura de assistência do Paraná é segura, temos capacidade de atendimento, mas é importante destacara que nem sempre é suficiente. Cerca 20% dos que internam evoluem para óbito. Mesmo com toda a capacidade de atendimento, com o melhor tratamento, isso não evita a morte das pessoas. É muito importante manter o isolamento social e os cuidados com higiene, para reduzir a transmissão do vírus”, disse Filipak.

Nesta sexta-feira (14), apenas dois hospitais da Grande Curitiba têm 100% de ocupação de leitos de UTI exclusivas para Covid-19: Cruz Vermelha e São Vicente Centro.

Medicamentos

Quase um mês após o secretário Beto Preto demonstrar preocupação com os medicamentos para intubação, agora o estado parece ter uma situação um pouco mais tranquila. Segundo Filipak, a situação tende a estabilizar. “A situação dos medicamentos já foi mais preocupante e houve risco pontual de desabastecimento. Mas, com atuação em duas frentes, houve aquisição por parte do Governo do Estado e ato de registro de preço pelo Ministério de Saúde. O problema, vale destacar, não aconteceu por falta de recurso, mas sim de logística. Agora, com redução de consumo em algumas regiões, isso permite uma oferta um pouco maior para a nossa região e tende a estabilizar”, explicou.

Boletim

O Paraná tem 98.559 casos confirmados de Covid-19 e 2.547 mortes em consequência da infecção.

1.095 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. Destes, 849 ocupam leitos SUS (410 em UTI e 439 em leitos clínicos/enfermaria) e 246 leitos da rede particular (103 em UTI e 143 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 1.102 pacientes internados, 489 em leitos UTI e 613 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.