A mãe de uma criança de 7 anos, moradora do bairro Osternack, em Curitiba, está desesperada sem ter notícia da filha há 20 dias. O pai da criança se recusa a devolvê-la e a Vara da Família determinou que a entrega aconteça em 24 horas. , disse A última vez que ela viu a filha foi no último dia 17: “Não falei mais com ela, estou desesperada”.

Divorciados desde 2015, o casal tem a guarda compartilhada da filha, mas que, por decisão da Justiça, não pode dormir na casa do pai. A consultora de beleza Márcia de Lima disse que o rapto aconteceu em uma das visitas. “Ele pode vê-la aos sábados e quartas. No dia 17 de outubro, ela foi para a casa dele. Retornamos para buscá-la, tinha gente em casa, mas ninguém nos atendeu. Voltamos na segunda-feira e nada”, disse ela, em entrevista à Banda B.

 

Foto: AN/Banda B

 

Segundo a mãe, a filha faz tratamento de saúde no Hospital de Clínicas e, desde então, não compareceu às consultas. “Estou sem notícias dela, não sei onde ela está. Minha filha faz uso de medicamentos fortes para asma a cada 12 horas, ela é do grupo de risco desse novo vírus, faz tratamento no Hospital de Clínicas. Estou desesperada, ela está há três semanas sem fazer tarefas da escola. É muito angustiante tudo isso. Minha filha é um grude comigo”, disse Márcia. “Eu tenho certeza que ela está chorando, pedindo por mim, pelo amor de Deus, devolva minha filha. Eu mandei mensagem para a atual esposa dele, as irmãs dele e toda a família me bloqueou. Eu só quero que ele devolva a minha filha”, fez o apelo.

Medidas

O advogado que representa a mãe, Rafael Millarch, garantiu que a Justiça está à favor dela. “A polícia já foi comunicada, o Nucria, e nossa última esperança é a busca e apreensão dessa criança. O juiz determinou que essa medida seja cumprida em 24 horas, mas está sendo desafiador encontrá-lo. Temos cogitado uma situação de sequestro”, lamentou.

O pai se manifestou pelas redes sociais, segundo o  advogado da mãe. “Ele fez um pronunciamento recente pelas redes sociais, ou seja, ele sabe que isso está acontecendo. Mas com a gente ele não faz nenhum contato e não responde”, disse.

Histórico

Segundo Márcia, ela possui uma medida protetiva contra o ex-marido, por violência doméstica, motivo esse da separação entre eles. “Não consigo dormir, escuto ela me chamando. Estou sem comer, não consigo fazer nada”, finalizou.