Por 101 dias, Guilherme Kovalski Lima enfrentou uma das batalhas mais difíceis dos seus 35 anos de vida: a contra a Covid-19. Quando foi internado na UTI do Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba, a filha de um ano dele estava começando a dar os primeiros passos, mas nesta sexta-feira (6) ele conseguiu ver a pequena andando sozinha pela primeira vez. De uma varanda do hospital, ele recebeu homenagens e não conseguiu conter a emoção.

A esposa de Guilherme, Jaqueline Lima, relata que foram meses muito difíceis. “Eu só pude ver meu marido após 30 dias de internamento e ele estava muito debilitado. Como foi difícil ver ele daquela forma, mas foi uma grande oportunidade para dizer o quanto a gente ama ele e como Deus estava cuidando de tudo”, relatou.

Diabético e hipertenso, Guilherme foi diagnosticado com Covid-19 e internado na UTI no dia 28 de julho, com quadro de trombose pulmonar, uma das piores complicações da doença.

Guilherme tirou foto com a equipe médica ao deixar UTI (Divulgação)

A ideia da homenagem desta sexta-feira (6) surgiu entre o contato de familiares com profissionais do hospital. Segundo Jaqueline, foi feito um mural de fotos no leito de Guilherme, que mostram o paciente cantando. “Isso deu a ideia para uma serenata, então vimos que a saída da UTI seria um momento especial. São ainda mais de 100 balões, simbolizando cada dia que ele ficou internado. Como cada um tem uma mensagem, onde cair, uma pessoa saberá da vitória”, disse.

Recuperação

O médico intensivista da UTI, Jarbas Motta Junior, conta que Guilherme ainda terá que permanecer mais uns dias no hospital para completa recuperação. “Apesar de ser jovem, Guilherme tinha alguns fatores de risco. Então, ainda vai passar alguns dias internado fora da terapia intensiva e mesmo em casa vai precisar do acompanhamento da fisioterapia, fonoaudiologia e de enfermagem. Mas ele é um vitorioso e já faz parte da nossa família”, disse.

Por fim, o médico destacou o empenho de toda a equipe possibilitar a homenagem nesta sexta. “Ele foi um vitorioso e a gente sempre preza em fazer uma homenagem, já que isso também mostra uma vitória nossa e nosso engajamento para recuperar o paciente, que é nosso objetivo principal”, comentou.

A expectativa é que Guilherme permaneça no hospital por mais três semanas antes da alta hospitalar.