Lauanne e sua filha Aurora; doença ataca principalmente crianças pequenas, com o sistema imunológico ainda imaturo (Arquivo Pessoal)

 

Primeiro, começa a febre. Depois, manchas vermelhas e bolhas começam a aparecer, normalmente nos pés, mãos e ao redor dos lábios da criança. Às vezes, também surgem aftas dentro da boca, que causam dor ao comer e beber. Os sintomas somem depois de uma semana, assim como surgiram, deixando nos pais uma preocupação: como evitar a doença mão-pé-boca (HFMD, na sigla em inglês)?

De origem viral, a doença ataca geralmente crianças de até cinco anos de idade, que têm o sistema imunológico ainda imaturo. Sua transmissão acontece pelo contato direto com outras crianças contaminadas com o vírus, bem como com suas fezes e saliva. Alimentos e objetos contaminados também podem transmitir o vírus.

O período de incubação da mão-pé-boca é de três a seis dias e, no começo, é fácil confundir com outras doenças.

Os primeiros sintomas, semelhantes a uma virose comum, são febre e dor de garganta, que podem ser acompanhados de mal-estar e perda de apetite. Dois ou três dias depois, começam a aparecer as manchas e bolhas na pele. No total, a doença dura entre uma semana e dez dias, e depois desaparece espontaneamente. Mas é preciso ficar atento: o vírus ainda pode ser transmitido pelas fezes do paciente por até quatro semanas depois da cura.

Não existe vacina contra a doença mão-pé-boca, já que ela é considerada benigna pela medicina, raramente ocasionando complicações.

Levar para a escola aumenta o risco?

Como crianças pequenas tendem a colocar as mãos na boca e em seguida tocar brinquedos compartilhados com os coleguinhas, o vírus pode se espalhar pela classe inteira.

“É uma doença típica da infância”, diz o pediatra Renato Kfouri, presidente do departamento de imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Como cuidar da criança durante a doença?

A mão-pé-boca não tem um tratamento específico. Apenas os sintomas são tratados, com analgésicos, antitérmicos e em alguns casos, anti-inflamatórios.

Como a criança pode sentir dor na boca e na garganta, ela pode não querer comer ou beber, mas é importante evitar que ela desidrate.

Um boa opção é dar alimentos pastosos não muito quentes nem condimentados, como purês e gelatina, e bebidas geladas.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.