Já são quase quatro meses de suspensão das aulas presenciais no Paraná e talvez a distância está fazendo com que muitos deem à devida importância para os professores e as escolas. As crianças e adolescentes sentem falta do encontro com o colega e as professoras, do aprendizado, de compartilhar as aventuras e muitas vezes de poder desabafar. O estudante de Campo Largo, Eduardo Henrique Firmino Azevedo, de dez anos, emocionou a professora Josilaine Moraes Padilha ao enviar um áudio, pelo aplicativo WhatsApp, pedindo para poder ir à escola de máscara.

Ouça abaixo:

 

A professora não deixou por menos e foi ao encontro de Eduardo na manhã deste sábado, de máscara e respeitando o isolamento social, para ao menos explicar que neste momento o retorno as aulas é inviável. “Eu chorei, me emocionei e expliquei para ele que não podíamos estar juntos neste momento. Está sendo muito difícil não sentir o afeto e abraço da criança, até das broncas eles devem estar sentindo falta”, disse Josilaine em entrevista à Banda B.

Josilaine e Eduardo se encontraram neste sábado (Foto: Colaboração)

 

Josilaine é professora da Escola Municipal Diva Ferreira Reinke, no bairro Itaqui. Ela contou que chorou ao receber o áudio de Eduardo Henrique. “Nós (professores) estamos sofrendo muito com a falta dos nossos alunos. Foi uma surpresa muito grande ao receber este áudio e fiquei muito emocionada, porque a escola faz parte da vida das crianças. Muitas vezes suprimos aquilo que a família não consegue”, desabafou.

A Banda B também teve um encontro por telefone com o Eduardo. Esperto como ele só, não sentiu timidez e explicou o que o levou a mandar o áudio para a professora. “Eu estou com saudade porque lá consigo fazer a minha tarefa melhor. Meus familiares não conseguem me ajudar tanto porque o dia é muito corrido para eles, então com a escola é melhor”, disse o garoto, que mora com a avó e o pai.

O menino afirmou ainda que a escola é o seu segundo lar. “Ali a gente aprende, pode compartilhar, dividir e crescer”, contou o garoto, que reclamou do ‘tal do coronavírus’. “Esse coronavírus é do mal. Está matando um monte de gente. Vamos orar pra Deus para ele ir embora”, falou Eduardo.

A retomada

Ainda durante a entrevista a Banda B, a professora disse que tantas incertezas têm sido uma dor de cabeça para os professores, que não sabem quando e como será a retomada do ensino presencial. “Nós queríamos que o encontro fosse todo mundo junto, fazendo festa, mas sabemos que não vai ser assim. Tão cedo não voltará a ser como antes. Temos tantos desafios pela frente e ficamos com medo do futuro, mas estamos ai para enfrentar”, destacou.

Ela ainda comentou que se questiona sobre o significado do próprio trabalho com essa distância do aluno. “Não está sendo fácil para o professor. Neste momento muitas vezes a gente não vê o significado do nosso trabalho, porque não temos o nosso aluno perto, a gente sente que eles estão com dificuldades e não podemos ajudar. É muito ruim isso”, lamentou.

Viralizou

O caso veio à tona após o prefeito de Campo Largo, Marcelo Puppi, gravar um vídeo sobre a atitude do garoto. “A secretária de Educação me mandou este áudio do aluno. Que culpa tem ele de não poder estudar? Que pandemia é esta? Ele não vai para a escola porque pode se contaminar ou os familiares. É assim, com todo mundo e ninguém tem culpa de nada. Ontem o governador Ratinho Junior, em um ato de humildade, chegou a pedir perdão se estiver prejudicando alguém. Mas não está. Está apenas preservando o seu povo pela vida”, detalhou o prefeito.

Assista ao vídeo abaixo: