Representantes das secretarias e órgãos da Prefeitura que integram a Câmara de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan) de Curitiba começaram a discutir, nesta quinta-feira (4/4), o 2º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional. Foto: Divulgação

 

Representantes das secretarias e órgãos da Prefeitura que integram a Câmara de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan) de Curitiba começaram a discutir, nesta quinta-feira (4/4), o 2º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional. Até o começo de dezembro, as ações, os indicadores e as metas ligadas ao tema serão definidos e começarão a ser colocados em prática pela Prefeitura. O plano irá valer até 2022.

O encontro no auditório do Mercado Municipal, no Centro, foi aberto pelo secretário municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab), Luiz Gusi, que reforçou a importância das discussões. “O novo Plano Municipal será uma construção conjunta, que teve início internamente dentro da Smab, agora será debatida por toda a Prefeitura e segue para as regionais, que irão ouvir a população sobre as necessidades em relação à segurança alimentar”, observou ele.

“Nosso grande desafio será sensibilizar toda a população, através de uma atuação conjunta, sobre a importância de se rever hábitos alimentares, evitando o consumo de alimentos industrializados e priorizando produtos saudáveis, como frutas e hortaliças”, completou Gusi.

O secretário prevê que as consultas públicas deverão ser finalizadas em julho e as demandas da população serão avaliadas, na sequência, pela Caisan, que é formada por representantes de órgãos do Município como a Smab, o Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) e as secretarias de Saúde, Governo, Meio Ambiente e Educação.

Programas

O secretário lembrou ainda a importância dos programas do município voltados à segurança alimentar e nutricional, como os Armazéns da Família, que beneficiam 250 mil famílias da capital; as 27 hortas urbanas com apoio do município e as ações de valorização dos 34 mil agricultores da região através do Programa de Desenvolvimento Produtivo Integrado da Região Metropolitana de Curitiba (Pró-Metrópole).

“Além disso, o prefeito Rafael Greca sancionou, em 2018, a lei que regulamenta o uso de espaços públicos e privados da cidade para a agricultura urbana”, acrescentou ele.