(Foto: Divulgação)

Uma parceria público privada triplicou o número de câmeras de monitoramento em Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Por meio de um edital, a prefeitura definiu a utilização de câmeras de vigilância privada, após ser atendida pela empresa SmartSeg, com sede na cidade há mais de dez anos. Com isso, ao lado das públicas instaladas na cidade, Guarda Municipal (GM) e Polícia Militar (PM) terão mais efetividade no atendimento às ocorrências.

A empresa disponibilizou para a Central de Monitoramento da GM o acesso a 140 câmeras nas ruas, cedidas pela empresa sem nenhum custo para os cofres públicos. Segundo o guarda municipal Lucas Raphael Zanoni, coordenador da Central de Monitoramentos, já havia inclusive um resultado efetivo com as câmeras municipais, o que agora aumentará ainda mais. “Isso só vem a contribuir no patrulhamento nas ruas da cidade. Aumentou consideravelmente o poder de patrulhamento por nossa central”, descreveu à Banda B.

O secretário de governo de Pinhais, Ricardo Pinheiro, contou que resultados efetivos já foram obtidos com as novas câmeras. “Tivemos um roubo em uma rua em que o suspeito foi localizado graças ao monitoramento. Houve também um carro roubado em Piraquara, que entrou em Pinhais e foi pego justamente pela câmera”, descreveu.

Outro benefício que Pinhais ganha com essa parceria é a instalação de duas câmeras com a tecnologia OCR (Optical Character Recognition), que monitora em tempo real as placas dos veículos que entram na cidade, emitindo um alerta de segurança quando alguma possua qualquer irregularidade. “Agora queremos ampliar as câmeras de rua e também adquirir mais com leituras de placas. Queremos ampliar isso no máximo possível”, destacou o secretário.

Armazenamento

Outro diferencial que esta parceria traz à população é o sistema de armazenamento das imagens registradas. “Hoje a GM mantém imagens em seu arquivo por até 15 dias, as capturadas pela SmartSeg são disponibilizadas para nós por até sete dias. Estas são posteriormente enviadas, quando solicitadas, para a Polícia Civil anexar em suas investigações, e também podem ser pedidas pela população. Quando esta nos solicita, informamos a existência da imagem ou não delas, mas para requerê-las o munícipe precisa realizar de maneira formal”, explicou o guarda Zanoni.

Por fim, o coordenador da Central de Monitoramentos destacou as áreas que são vigiadas 24 horas por dia. “Divisas de municípios e algumas em pontos estratégicos, com maior potencial de vulnerabilidade. Com a parceria, muitos bairros residenciais agora também são monitoradas”, concluiu.