A Urbanização de Curitiba (Urbs) alerta os motoristas de aplicativos, como Uber, 99 e Cabify, sobre notícias falsas  – “fake news” – envolvendo o cadastramento. A fiscalização que pode multar os motoristas que não tiverem a carteirinha da Urbs, enviada após o devido cadastro no site da empresa, deve começar apenas no fim de janeiro. Ao contrário do que circulam em alguns grupos de motoristas, o cadastramento não terá prazo final em 21 de dezembro deste ano, por ser um ato contínuo e permanente.

Foto: Divulgação/SETRAN

Segundo o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maria Neto, por conta das falsas notícias foi necessário entrar em contato com lideranças dos motoristas para explicar a situação. “Nós detectamos algumas fake news e por isso entramos em contato com as lideranças, pois essas notícias acabam se espalhando e interferindo em todo o processo. Explicamos que o cadastramento é contínuo, tanto que quando os motoristas trocarem de carro ou tiverem alguma mudança na habilitação, eles poderão fazer upload na plataforma novamente e modificar esses dados”, esclareceu Neto.

A partir do dia 21, começam as blitz orientativas por parte da Urbs e da Setran para esclarecer os motoristas da necessidade do cadastramento. Não é intuito da Urbs punir, multar ou apreender veículos. A ideia é possibilitar que todos os profissionais estejam cadastrados e devidamente regularizados para maior credibilidade dos motoristas legalizados que prestam o serviço.

O cadastramento dos aplicativos começou em 21 de outubro. O presidente da Urbs afirma que o cadastro é importante para valorização da categoria, segurança dos passageiros, gestão do modal no município, inibição de clandestinos e conhecimento da realidade acerca da quantidade de motoristas que prestam o serviço. A estimativa é que existam 12 mil motoristas de aplicativos de transporte em Curitiba.

“Esse cadastramento é feito dentro do site da Urbs e a pessoa vai lançando seus dados ali dentro e automaticamente a plataforma vai avançando para a próxima etapa. Os dados exigidos são sobre a habilitação, Renavam do carro, foto, entre outros. Depois disso só fica pendente a certidão de antecedentes criminais, mas um link direciona para o cartório que emite esse documento e com o pagamento do boleto os dados vão automaticamente para o nosso sistema. Após três dias, o motorista recebe a carteirinha”, explica Neto sobre o passo a passo do processo.

A medida obedece ao decreto, assinado pelo prefeito Rafael Greca em agosto, que amplia a regulamentação do serviço na cidade. O cadastro deve ser feito no site na Urbs.

Ao todo 9.964 motoristas de aplicativos se inscreveram até agora no cadastro. Apesar disso, apenas 1.352 completaram os dados do cadastramento. Inconsistência de dados, erros de preenchimento e ausência de certidões negativas de antecedentes criminais são alguns dos problemas detectados.

De acordo com Alessandro César de Souza Alves, Gestor da Área de Táxi e Transporte Comercial da Urbs, também será possível, com o cadastramento, gerenciar informações ao cliente final, como reclamações, elogios e sugestões.

Regulamentação

Em novembro do ano passado, a Prefeitura publicou a atualização da regulamentação do setor, com melhorias para motoristas, usuários e condições de tráfego nas ruas de Curitiba.

O emplacamento do veículo, antes restrito a Curitiba, agora pode ser feito em qualquer cidade do país. O tempo de fabricação dos veículos autorizados a trabalhar no transporte privado de passageiros também foi ampliado. Antes limitado a cinco anos, agora esse prazo máximo é de sete anos.

A idade veicular de sete anos está em consonância com a média adotada nas principais capitais brasileiras em que o serviço opera com satisfatórios indicadores de qualidade. Para veículos elétricos ou adaptados para transporte de pessoas com deficiência o prazo permanece de até oito anos