Motoristas e cobradores de ônibus decidiram aceitar o aumento de salário acordado entre o sindicato dos trabalhadores e os empresários do transporte público. A decisão aconteceu durante assembleia nesta quarta-feira (24), na Praça Rui Barbosa, em Curitiba. A categoria terá acréscimo de 3,58% da folha, além de 5% de aumento no cartão alimentação dos trabalhadores, descartando qualquer indicativo de greve.

De acordo com o presidente do Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), Anderson Teixeira, apesar do acordo, a negociação não foi das mais tranquilas. “As tratativas duraram quase 3 meses, então não foi fácil. Tivemos altos e baixos, mas o objetivo da categoria foi assegurado, principalmente com a garantia empregos, então não há possibilidade de existir uma greve”, disse.

Foto: Divulgação/Sindimoc

A assembleia também acatou a estabilidade de emprego a trabalhadores com idade superior a 45 anos e com mais de dez anos de emprego. Além disso, o sindicato repassou informações sobre o fim do repasse do fundo assistencial para a entidade trabalhista, destinado à prestação de serviços para os trabalhadores da categoria.

Com o fim do repasse desse valor, equivalente a cerca de 1 centavo da tarifa, o Sindimoc vai anunciar em breve mudanças administrativas e no atendimento dos trabalhadores, para adequar à nova realidade com a não existência desse recurso.

“Nós conseguimos também, junto ao Setransp, garantir os postos dos cobradores nos próximos 4 anos, tirando aqueles que se aposentarão. O vereador Rogério Campos também nos prometeu uma emenda para proteger esses empregos”, contou à Banda B.

Agora, as decisões da assembleia passarão pelo visto do sindicato patronal nos próximos dias. “Essas propostas já foram conversadas com empresários, hoje passaram pelos trabalhadores e acredito que a partir de amanhã serão encaminhadas aos representantes patronais”, relatou Teixeira.

Em nota enviada à Banda B, o Setransp confirmou os valores informados pela categoria. Confira o comunicado na íntegra:

O Setransp informou que de fato negociava reajuste de 3,5% nos salários e 5% no cartão alimentação. Também informou que discutia a redução do quadro de cobradores durante um período de até quatro anos, além do fim do Fundo Assistencial. O Setransp aguarda a posição oficial do Sindimoc para dar prosseguimento às tratativas.